Helvio Romero/AE
Helvio Romero/AE

Mãe de Eloá não é ouvida e irmão mais novo presta depoimento

Mãe disse que não depôs porque a advogada de Lindemberg, Ana Lúcia Assad, deu ‘um piti

estadão.com.br,

14 de fevereiro de 2012 | 12h10

Texto atualizado às 13h36 para acréscimo de informações

SÃO PAULO - Após outra reviravolta, juíza, defesa e acusação decidiram nesta terça-feira, 14, que Ana Cristina Pimentel, mãe de Eloá, morta pelo ex-namorado, Lindemberg Alves, em 2008, não será ouvida como testemunha no segundo dia de julgamento do rapaz, no Fórum de Santo André. Depois de algumas idas e vindas, decidiu-se que apenas Douglas, o irmão mais novo de Eloá, prestaria depoimento.

Houve princípio de tumulto e a mãe de Eloá, aos jornalistas, disse que não depôs porque a advogada Ana Lúcia Assad deu ‘um piti’.

Ana Cristina desejava falar. Em entrevista coletiva, afirmou que queria dizer que Lindemberg é um ‘assassino’ e ‘quem ama não mata’.

Relembrou o momento em que, no plenário, ficou cara a cara com o acusado e se encararam. Disse não ter visto arrependimento nos olhos do réu. Segundo ela, Lindemberg fez um gesto com as mãos, interpretado por ela como um pedido para que ela não falasse mal dele.

Ao falar, Douglas, irmão da menina morta, assim como seu irmão mais velho, caracterizou Lindemberg como "monstro".

A mãe de Eloá ouviu o depoimento do garoto, menor de idade, do plenário - ele tem 17 anos hoje e disse que vai acompanhar o resto do julgamento da plateia.

Ao sair para almoçar, a advogada de defesa de Lindemberg foi hostilizada e pediu escolta.

Pouco antes, a mãe entrou no plenário onde encarou Lindemberg. O acusado estava presente na sala, e Ana Cristina, do momento em que entrou até a hora em que saiu, o encarou. Lindemberg a encarou de volta e os dois ficaram por cerca de dois minutos trocando olhares intimidadores.

Por volta de 11h15, Ana Cristina Pimentel, mãe de Eloá, foi chamada ao plenário. Ela havia sido convocada ontem pela advogada de Lindemberg como testemunha de defesa.

Mas Ana Cristina não depôs. Ana Lúcia Assad, advogada de Lindemberg, ameaçou deixar o júri caso ela e o irmão mais novo de Eloá, Douglas, testemunhassem. Contrariada, a mãe de Eloá deixou o plenário. Ela queria falar.

Monstro. Em depoimento também programado para esta terça, o irmão de Eloá, Ronikson Pimentel dos Santos, lamentou o namoro da irmã com o acusado e chamou Lindemberg de monstro. 'Ele é um mostro, louco e agressivo'. O irmão disse que conversou com as mulheres que receberam órgãos de Eloá, e que elas têm um jeito (voz) parecido com Eloá.

Ronikson afirmou também que Lindemberg se aproximou do irmão mais novo da família, Douglas, com o objetivo de se aproximar de Eloá. Foi por meio do garoto, 'uma criança', lembra Ronikson, que Lindemberg conheceu a vítima. 'Ele traiu minha família', disse Ronikson.

Lindemberg chegou ao fórum no ABC paulista por volta das 8h30 desta terça-feira, para o segundo dia de julgamento. Por volta das 7h30, Lindemberg saiu escoltado por duas viaturas do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, onde passou a noite.

O primeiro dia de julgamento começou 50 minutos depois do horário previsto e terminou por volta das 20h. Três dos quatro reféns de Lindemberg prestaram depoimento, entre eles Nayara Rodrigues da Silva, principal testemunha de acusação.

Tudo o que sabemos sobre:
casoEloáLindembergjulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.