Madrasta da Isabella recebe a visita dos pais no presídio

Encontro ocorreu na capela da penitenciária; além de cobertores e comida, pais também levaram três livros

Simone Menocchi, de O Estado de S. Paulo,

18 de maio de 2008 | 18h02

Anna Carolina Jatobá recebeu na tarde deste domingo, 18, a visita dos pais, na penitenciária feminina de Tremembé, no Vale do Paraíba. Alexandre Jatobá, de 45 anos, e a mulher, chegaram ao presídio em um Audi preto por volta das 13h15. Ele desceu primeiro, anunciou a visita para a direção da penitenciária e depois foi até o carro para buscar a esposa, que saiu com o rosto encoberto. "Quero que vocês entendam que a imagem dela tem que ser preservada pois é ela que levará meus netos aos passeios, que está cuidando do bem-estar dos meus netos". Anna Carolina e o marido, Alexandre Nardoni, são acusados da morte de Isabella, de 5 anos, em 29 de março.  A visita aconteceu na capela do presídio e durou pouco mais de duas horas. Foi a primeira visita de um parente à Anna Carolina. "Foi um encontro caloroso, algo muito emocionante. As duas estão completamente abaladas. Quando ela nos viu e na hora da partida choramos muito, foi muita emoção".   Durante duas horas eles conversaram sobre a decisão do STJ de negar o pedido de hábeas corpus e segundo o pai, ela perguntou dos filhos somente, não fazendo nenhuma pergunta sobre o marido. "Não perguntou porque os advogados já a mantém informado". Alexandre Nardoni está preso no presídio José Augusto César Salgado, o P2 de Tremembé, a 7 quilômetros de Anna Carolina e durante todo o domingo não recebeu nenhuma visita.   Entre cobertores e comida, os pais também levaram para Anna Carolina três livros - dois de Alan Kardec e um de Direito Constitucional - para que ela passe o tempo lendo. "Ela tem lido muito e está bem, graças a Deus". Jatobá elogiou o atendimento recebido no presídio. "É uma direção de excelência e isso me confortou bastante". Anna Carolina deve sair do regime de observação (R.O.) no dia 22 de maio. "Porém, como é feriado, o período terminará na segunda-feira seguinte".   Os pais e a madrasta de Isabela se mantém otimistas em provar a inocência. "Ela sempre foi apegada a Deus e agora disse que sua fé está muito mais forte.Tenho fé em Deus que logo ela estará solta".   Convívio   Jatobá ressaltou que a filha quer sair logo do período de observação e conviver com as outras detentas. "Ela não tem medo do contato com as outras. Está querendo sair e ir para o convívio com as demais", disse. No local há 180 presas de alta periculosidade. Entre elas está Suzane Von Richtofen, condenada por matar os pais há três anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.