Madonna grava 'safadinha' nas costas

Cantora tirou parte da roupa para exibir a palavra escrita no corpo; chuva atrasou o show

ROBERTO NASCIMENTO, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2012 | 02h00

Em seu segundo e último show em São Paulo, ontem à noite, Madonna ficou de calcinha e sutiã no palco do Estádio do Morumbi e mostrou a palavra "safadinha" gravada nas costas. Era uma das palavras que ensaiou, com a ajuda da plateia, durante a noite, ao lado de "danada" e "gostosa".

Com atraso de meia hora provocado pela chuva, Madonna deu início ao show às 23h. Até a oitava música, a setlist foi a mesma do primeiro show, na terça-feira, com um trecho de Papa Don't Preach inserida no fim de Gang Bang e seu mix de Express Yourself com Born This Way, de Lady Gaga. Depois a loira perguntou à plateia se é "gostosa" e cantou Holiday, que ficou de fora no show de terça.

Às 22h15, o atraso tinha sido anunciado no Estádio do Morumbi: "Por problemas técnicos causados pela chuva, o show começará mais tarde do que o previsto". O público vaiou. Às 22h30, a pista premium estava cheia, mas a comum tinha menos gente. Nas arquibancadas, espaços continuavam vazios, indicando uma média de público inferior à de terça, que teve 58 mil pessoas.

Com os primeiros pingos de chuva, a plateia da pista VIP correu em direção à parte interna do estádio e por lá permaneceu cerca de uma hora. Enquanto isso, a equipe de Madonna removia a cobertura de borracha que cobre o palco e tirava o excesso de água com rodos.

Os primeiros fãs, que haviam chegado por volta das 4h da manhã, não encontravam dificuldade para ficar na frente do alambrado. "Vim nos dois dias e hoje está bem mais tranquilo do que ontem", disse um estudante que se identificou como Lucas.

Madonna não deu as caras antes do início da apresentação, como havia feito anteontem, ao presentear o público com passagem de som.

Na noite de terça, Madonna deixou a desejar com uma playlist que pecou pela falta de canções explosivas. Estava presente grande parte de sua coleção de hits - Express Yourself, Celebration, Vogue, Open Your Heart to Me, Like a Prayer -, mas as músicas eram intercaladas com o dance pop sonolento que a diva vem produzindo.

A ausência de Like a Virgin deixou fãs irritados. E os clássicos de sua carreira, embora executados com verve, afinação e carisma, não faziam o suficiente para sustentar a empolgação durante as duas horas de show.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.