Lustre a R$ 211 mil? é saldão casa cor

Sucesso no ano passado, a promoção de rescaldo da maior mostra de arquitetura e decoração do País foi ampliada e ficará aberta até domingo

Paulo Sampaio, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

 

Duzentos e 11 mil reais por um lustre. Em que outro lugar, senão no saldão da Casa Cor, você vai encontrar uma pechincha dessas? "Antes, estava por R$ 350 mil", diz o jovem que dá informações sobre a peça. "E é do Philippe Starck."

Philippe Starck é um designer francês famosíssimo por criar móveis estilosos, carros estilosos, hotéis estilosos, enfim, até escova de dentes estilosas. Não há a menor chance de não gostar de um lustre Philippe Starck.

Mas o passeio pelo rescaldo da mostra de arquitetura, paisagismo e decoração apenas começou. E não é para chamar de saldão: o nome é "special sale".

Graças ao sucesso do ano passado, a promoção foi estendida. Em vez de dois dias, agora dura uma semana: vai até o próximo domingo, no Jockey, com descontos de 30% a 70% . "Eles põem "até 70%", mas eu não encontrei nada que valesse à pena com esse desconto. Vi uma pia com a bancada que custava R$ 50 mil e estava pela metade do peço", diz o advogado Maurício Ammar, de 32 anos, com a mulher, Andréa, de 34. Eles reclamam que o "special sale" não é extensivo ao preço da entrada, que, nos dias de semana, foi de R$ 35 para R$ 40.

Como se estivesse em uma gincana, Andrea exclama: "Achei!", quando encontra algo que considera barato. "Esse centro de mesa baixou de R$ 98 para R$ 68", diz. O casal se senta no sofazão do "loft do investidor" e diz: "Bonito... Mas nada de mais." Com cerca de 4 metros, cor de marfim, o sofá foi de R$ 11.945,00 para R$ 7.167,00. Um casal de homens olha para a peça demoradamente, como se ela também olhasse para os dois.

A maior dificuldade, reclamam os visitantes, é a falta de parâmetro de preço em relação a obras como esculturas, quadros e objetos de grife. O presidente da Casa Cor, Ângelo Derenze, aconselha que os interessados pesquisem na internet. "Eu mesmo faço assim. Com obra de arte, aí é preciso ver o valor agregado, a exclusividade, e também o quanto a pessoa quer aquilo."

A juíza Cláudia Thomé, de 41 anos, está na Casa Cor para ver a mostra - não pelo "sale" -, mas diz que conhece "os preços lá fora". Ela afirma que os dali, com a liquidação, ficaram como os das lojas. "Ou seja: nada promocionais", conclui.

Também não adianta saber o preço, se o objeto não está na promoção. O empresário Antônio Pedace lamenta muito que a "cadeira Herman Miller" do "loft do jogador de polo" não esteja . Pedace diz que a cadeira custa R$ 3.200 na loja. Seria uma boa oportunidade de verificar se as coisas ali estão mesmo em conta. "Já olhei, não tem etiqueta vermelha", diz ele.

De acordo com a designer de interiores Simone Goltcher, autora do ambiente onde está a cadeira, "os fornecedores acharam que, como o mínimo de desconto dado no sale é de 30%, não valia a pena. Eles ganhariam muito pouco. E ainda iam ter de pagar a comissão da Casa Cor." A assessoria da mostra diz que não cobra comissão sobre as peças.

Simone ainda deu mostras aos fornecedores de que também gostaria de ficar com a cadeira. Tem esperanças de que eles vendam mais barato para ela (que, afinal, foi quem colocou no loft ).

Horta. Um dos campeões de "exclusividade" é a mesa de jantar que vem com horta. O comensal come a alface, a manjerona, o agrião colhido ali mesmo. Quem apresenta a peça é Cláudia, uma lourinha muito empenhada. "Você colhe as folhas da sua salada e lava naquele espelho d"água (ela aponta para a cabeceira da mesa)." Segundo a moça, a mesa-horta deve ficar ao ar livre, para que as folhas se desenvolvam. "A madeira é preparada para resistir ao tempo."

"E se a pessoa comer toda a alface de uma vez?", quer saber o funcionário público Marcos Cardoso, de 50 anos, que acompanha a explanação.

Cláudia, que está preparada para todo tipo de pergunta, responde. "A empresa vende a manutenção da horta, por R$ 250 por mês, de acordo com o número de pessoas para consumo." A mesa entrou na promoção: de R$ 19.800 por R$ 14 mil. Já com a horta...

De madeira

Banco da Tora Brasil, de R$ 38 mil por R$ 26.600

Iluminado

Lustre Begin Philippe Starck, de R$ 350 mil por R$ 211 mil

Simples

Centro de mesa, de R$ 98,00 por R$ 68,00

Rústico

Cadeira Merela da Arrivato, de R$ 8.290,00 por R$ 5.873,00 no espaço Al Fresco

Confortável

Sofá no loft do jovem investidor, de R$ 11.945,00 por R$ 7.167,00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.