Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Lula: militares ficarão no Rio o quanto for necessário

Após visitar o canteiro de obras da usina hidrelétrica, no rio Tocantins, Lula ressaltou a parceria entre os governos do Estado e federal, na operação contra os ataques

Leonêncio Nossa , O Estado de S. Paulo

30 de novembro de 2010 | 14h51

ESTREITO-MA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira, 30, que as Forças Armadas continuarão no combate ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro o tempo que for necessário, para garantir a paz. Em entrevista realizada hoje, depois de visitar o canteiro de obras da usina hidrelétrica, no rio Tocantins, Lula ressaltou a parceria entre os governos do Estado e federal, na operação.

 

Veja também:

linkPolícia encontra túnel de fuga e vai lançar gás no esgoto do Alemão

linkExército ficará no Alemão até julho

linkMoradores denunciam arrombamentos

linkPrefeitura faz mutirão de serviços na zona norte do Rio

linkPolícia: CV deve se refugiar em Manguinhos e Mangueira

som Morador: 'Ainda não sabemos como isso vai ficar'

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video Vídeo - Bope troca tiros no Complexo da Penha

especial CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

Ele observou que o governo federal só pode enviar tropas após pedido formal do governador Sergio Cabral (PMDB), como prevê a Constituição. "Eu fiquei feliz com o Sérgio Cabral ter pedido apoio. Nós não podemos interferir. Ele teve sensibilidade, humildade e competência de pedir o apoio e prontamente atendemos", disse.

Questionado se o governo federal tinha sido negligente na fiscalização das fronteiras, porta de entrada de armamentos, Lula respondeu: "O importante é que estamos trabalhando em conjunto", referindo-se ao governo do Rio.

Ele ressaltou que no seu governo as Forças Armadas passaram a atuar com poder de polícia na vigilância das fronteiras e que fez parcerias com governos vizinhos e está comprando aviões para patrulhamento. "Vamos controlar melhor nossas fronteiras", disse.

Balanço. Trinta e três toneladas de maconha foram apreendidas entre as 8 horas de domingo, 28, início da operação das polícias civis e militares e do Exército contra o crime no Complexo do Alemão, no Rio, até as 10 horas desta terça-feira.

Segundo balanço oficial, foram apreendidas 33 toneladas de maconha, 235 quilos de cocaína e outros 37 quilos de crack, 1.400 frascos de lança perfume e 208 kg de cargas aditivas para cocaína. Também foram recuperadas 135 armas longas, entre fuzis e metralhadoras.

(Colaborou Solange Spigliatti)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.