Lula manda abrir inquérito para apurar acidente, diz Tarso

Ainda segundo ministro em entrevista à CBN, Paulo Lacerda, da PF, já está tomando as providências

18 de julho de 2007 | 10h54

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou abertura de inquérito policial para apurar possíveis responsabilidades de autoridades públicas no acidente com o Airbus 320 da TAM na noite de terça-feira, 17. A informação foi dada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, em entrevista à rádio CBN. Segundo ele, o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, já está tomando as providências.   Veja também:   Lista das 186 vítimas do acidente Opine: o que deve ser feito com Congonhas? O local do acidente Os piores desastres aéreos do BrasilConheça o Airbus A320 Galeria de fotos Assista a vídeos feitos no local do acidente Conte o que você viu e o que você sabe   Tarso não quis opinar sobre as condições da pista principal do aeroporto de Congonhas, as quais têm sido apontadas como possíveis causas do acidente. Contudo, disse que, se a pista estava realmente com problemas, não deveria ter sido liberada. "Só os órgãos técnicos poderão responder sobre esta responsabilidade", afirmou.   No dia 29 de junho, foi concluída a reforma e liberada a pista principal do aeroporto de Congonhas pela Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero). Isso ocorreu sem 'grooving', procedimento que coloca ranhuras no solo para melhorar o escoamento da água e evitar derrapagens. Apesar de não serem obrigatórias, as ranhuras normalmente são feitas para dar mais segurança nos pousos.   Tarso disse ainda que o governo federal vai acompanhar de perto as providências de Lacerda para saber, de fato, quais eram as condições da pista principal de Congonhas. "O presidente cobrará rigor e rapidez nestas investigações", disse. O ministro esclareceu que, além do inquérito policial para apurar responsabilidades de órgãos públicos, deve haver um outro inquérito para apurar a responsabilidade de civis. "Só a partir destes resultados será possível falar sobre indenizações", explicou.   Tarso informou também que o governo não descarta impedir a utilização do aeroporto de Congonhas para grandes aeronaves. Segundo ele, todas as medidas de segurança serão tomadas independentemente de pressões das companhias aéreas. "Não reconheço essas pressões, mas não duvido que existam, pois são pressões naturais mas não estou dizendo que existam e não estou em condições de responder, pois meu ministério tem funções muito específicas em relação a questão como estas e se restringe em investigações que mencionei".   Quanto à questão de informações, ainda não confirmadas, que o avião poderia ter pousado na pista em local que não seria apropriado, o ministro explicou: "essa informação é muito forte, mas ainda não há conclusão técnica sobre isso. Esse inquérito que a polícia federal vai fazer tratará dessa questão pois está relacionado com o uso da pista".   O ministro disse que tanto ele quanto o presidente Lula estão consternados com o acidente do Airbus 320 da TAM. "O presidente quer que a Polícia Federal esclareça o que de fato aconteceu".

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.