Lula elogia contrato firmado entre BRA e Embraer

Antes do discurso de Lula, Nelson Jobim fez agradecimento público por poder comandar a pasta da Defesa

Elizabeth Lopes, do Estadão,

21 de agosto de 2007 | 21h21

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira, 21, que o Brasil ingressa em uma nova fase no mercado da aviação, ao apostar no crescimento da aviação regional. A afirmação foi feita durante discurso realizado na cerimônia de venda de jatos 195 da Embraer para a BRA Transportes Aéreos. "Tenho certeza de que nos próximos anos a BRA vai colher os frutos pela aposta certa de acreditar na aviação regional", afirmou o presidente.   Ainda no discurso, Lula destacou: "O gesto da BRA será repetido por outras empresas, que vão se convencer que não precisam colocar (no mercado) aviões de mais de 200 passageiros". Segundo o presidente, essa nova fase no mercado da aviação também deverá ser marcada por viagens de trajetos menores.   Antes do discurso de Lula, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, fez um agradecimento público a ele por ter lhe confiado a missão de comandar a pasta da Defesa. "Agradeço vossa excelência em público, porque esta é a primeira vez que tenho condições de falar sobre o convite que me fez. Eu dedicarei a vossa excelência a minha obstinação". Nem o presidente nem o ministro concederam entrevista após o evento, que começou com mais de uma hora de atraso e terminou por volta das 19h30.   O presidente Lula disse também em seu discurso que é positivo o fato de as empresas aéreas brasileiras descobrirem a Embraer como fornecedora de jatos de qualidade e segurança. E brincou, ao dizer que, depois de inspecionar a montagem dos aviões e de ver a quantidade de fios que eles possuem, reconhece que é muito corajoso. "Mas quando entro em um avião, entrego a Deus a minha vida, à tecnologia e ao piloto, porque dá medo de ver um avião não acabado".   Depois da brincadeira, Lula disse que a Embraer é motivo de grande orgulho da engenharia e da capacidade de criação de aeronaves, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.   Para o presidente Lula, quando uma companhia aérea faz uma opção por um jato regional, é sinal que ela pode e deverá crescer. Ele acredita que a cerimônia desta terça-feira, 21, deverá representar a reposição do conceito da aviação civil brasileira, como o foco na aviação regional.   O contrato realizado nesta terça entre a Embraer e a BRA implica a venda de 20 jatos 195, com mais 20 opções do mesmo modelo, num valor total de US$ 1,4 bilhão. De acordo com a Embraer, a BRA tem 20 opções adicionais que, caso confirmadas, lhe dão direito de compra de outras 15 aeronaves, podendo a encomenda total atingir 75 aviões. O Embraer 195 é o maior integrante da família de quatro jatos comerciais que atende o segmento de 70 a 120 acentos.

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreaaviação civilBRAEmbraer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.