Lula anunciará medidas para Congonhas em cadeia nacional

Propostas serão discutidas com ministros na reunião do conselho da aviação marcada para esta sexta-feira

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

19 de julho de 2007 | 21h04

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciará medidas para o Aeroporto de Congonhas nesta sexta-feira, 20, no pronunciamento que fará em cadeia nacional de rádio e televisão. A informação é do vice-presidente da República, José Alencar, à Agência Estado nesta quinta-feira. Segundo ele, Lula, na reunião com os ministros do grupo de Coordenação Política, analisou as propostas que deverão ser divulgadas nesta sexta-feira. "Foi uma reunião objetiva em todos os aspectos", avaliou. "O presidente está empenhado e vai resolver o problema no curto prazo."  Veja também:Chefes da Defesa e da Infraero devem sair na próxima semana Dilma convoca presidente da Infraero e diretora da Anac  Lista completa dos mortos Quem são as vítimas do vôo 3054 As histórias das vítimas da tragédia O local do acidente Opine: o que deve ser feito com Congonhas? Os acidentes mais graves da aviação brasileira Cronologia da crise aérea Conheça o Airbus A320 A repercussão da tragédia no mundo Assista a vídeos feitos no local do acidente  Basicamente, o governo quer que a Agência Nacional de Aviação (Anac) e a Infraero, estatal que administra os aeroportos, imponham uma redução dos atuais 44 vôos/horas, em Congonhas, para, no máximo 38 vôos/hora. Os demais vôos, da chamada aviação geral, seriam transferidos para os aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e Viracopos, em Campinas.  Se o Planalto conseguir arrancar essa decisão da reunião do Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac), isso significará uma derrota para a Anac, que nunca conseguiu impor essas medidas defendidas por parte de sua diretoria e pela Infraero às companhias aéreas. A reunião será coordenada por Lula, no lugar do ministro da Defesa, Waldir Pires, que também estará presente.  Alencar contou ainda que, no Palácio do Planalto, o clima é de "consternação" e "pesar" pelo desastre com o Airbus da TAM, em que morreram mais de 190 pessoas. Em rápida entrevista, Alencar disse ainda que recebeu os resultados dos recentes exames de saúde feitos no Hospital Sírio Libanês e que foram "excelentes". "Infelizmente, o momento é de tristeza com essa tragédia que ocorreu em São Paulo."  'Impossível' o brigadeiro José Carlos Pereira, presidente da Infraero, disse nesta quinta-feira que a única medida impossível de tomar é o fechamento do aeroporto. "Só se alguém me disser onde vamos colocar 20 milhões de passageiros", afirmou Pereira, referindo-se ao número estimado de usuários por ano do aeroporto. O brigadeiro esteve no Planalto para um encontro sobre a crise aérea com a ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Ele estava em São Paulo, e foi chamado para a reunião, onde chegou acompanhado pela diretora Denise Abreu, da Agência Nacional de Aviação Civil. Lula já avisou nesta quinta-feira aos ministros mais próximos que o titular da Defesa e o presidente da Infraero devem deixar seus cargos até a próxima semana. (Com Vera Rosa, do Estadão)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.