Lu Alckmin fala pela 1ª vez após morte de filho e cita Santo Agostinho

Nas redes sociais, primeira-dama do Estado de São Paulo ainda agradeceu às mensagens de apoio e publicou foto de Thomaz

O Estado de S. Paulo

08 Abril 2015 | 14h11

SÃO PAULO - A primeira-dama do Estado de São Paulo, Lu Alckmin, manifestou-se na manhã desta quarta-feira, 8, pela primeira vez desde a morte de seu filho caçula, Thomaz Rodrigues Alckmin, de 31 anos, em um acidente de helicóptero na última quinta-feira, 2.

Em seus perfis no Facebook, no Instagram e no Twitter, Lu publicou uma foto de Thomaz, agradeceu às mensagens de apoio e solidariedade que recebeu nos últimos dias e reproduziu a reflexão "O amor não desaparece jamais", de Santo Agostinho.

Veja o texto publicado por Lu:

"O amor não desaparece jamais.

Eu sou eu, vocês são vocês.

O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.

Me deem o nome que vocês sempre me deram,

falem comigo como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas,

eu estou vivendo no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene ou triste.

Continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado como sempre foi,

sem ênfase de nenhum tipo.

Sem nenhum traço de sombra ou tristeza.

A vida significa tudo o que ela sempre significou,

o fio não foi cortado.

Eu não estou longe,

Apenas estou do outro lado do caminho ..."

"O amor não desaparece jamais.Eu sou eu, vocês são vocês.O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.Me dêem o nome... Posted by Lu Alckmin on Quarta, 8 de abril de 2015

"O amor não desaparece jamais. Eu sou eu, vocês são vocês. O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram. Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. Não utilizem um tom solene ou triste. Continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim. Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado. Eu não estou longe, Apenas estou do outro lado do Caminho ..." Santo Agostinho Thomaz Rodrigues Alckmin 6-4-1983 | 2-4-2015 Agradeço as mensagens de apoio e solidariedade que muito nos tem confortado nestes dias tão difíceis. 🙏

Uma foto publicada por @lualckmin em

Acidente. Formado em Administração de Empresas, Thomaz tinha 31 anos e era piloto de helicóptero. Além dele, estavam na aeronave que caiu o piloto e três mecânicos. Ninguém sobreviveu.

O acidente aconteceu às 17h10, em um condomínio do município de Carapicuíba, na altura do km 26 da Rodovia Castelo Branco. A aeronave chegou a atingir duas casas - uma pronta, outra em construção -, mas ninguém em solo ficou ferido.

O helicóptero pertencia à Seripatri Participações, empresa de investimentos de José Seripieri Jr., fundador da Qualicorp, que administra planos de saúde coletivos.

Morreram ainda no local o piloto Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves, de 53 anos, e o mecânico Paulo Henrique Moraes, de 42, ambos da Seripatri, além de Erick Martinho, de 36, e Leandro Souza, de 34, mecânicos da Helipark, empresa de manutenção.

O acidente ocorreu durante um voo de teste, após o helicóptero passar pela manutenção preventiva - a Helipark mantém uma oficina localizada muito próximo do condomínio onde ocorreu a queda. A Aeronáutica já iniciou as investigações. Segundo testemunhas, havia faíscas no aparelho, quando ocorreu o acidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.