Lotados, trevos da Via Anchieta terão ampliações

Prefeitura vai investir R$ 13,2 milhões em obras de alargamento e criação de alças nos três pontos mais congestionados da rodovia

Eduardo Reina, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2010 | 00h00

A prefeitura de São Bernardo do Campo vai investir R$ 13,2 milhões para ampliar e construir alças em três trevos problemáticos da Via Anchieta e tentar acabar com os engarrafamentos na parte urbana da estrada - em especial no ABC paulista. Hoje, nos horários de pico, os veículos ocupam até três faixas da rodovia em filas para entrar nos bairros.

As intervenções serão no km 14 (entrada dos bairros Taboão e Rudge Ramos, que também faz a ligação para São Caetano do Sul), no km 18 (por onde passa o anel viário metropolitano que liga Santo André, São Bernardo e Diadema, o Corredor ABD), e no km 22,5 (rodeado pelos bairros Demarchi e Assunção e pela montadora Volkswagen).

Segundo a Federação das Empresas de Transportes de Cargas do Estado de São Paulo (Fetcesp), os caminhoneiros são obrigados a procurar rotas alternativas por dentro das cidades por causa dos gargalos da Anchieta em São Bernardo.

A meta é concluir as licitações nos próximos meses e iniciar as obras em 2011. A promessa é concluir as intervenções até o fim de 2011 e início de 2012.

A Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) informou que as concessionárias que controlam as estradas paulistas têm, por contrato, até 2016 para executar obras de melhorias e ampliação das vias. No entanto, os projetos e execuções, segundo a Ecovias, concessionária que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, ficarão por conta da prefeitura.

Mais rápido. No km 14, em uma região que fica perto dos limites entre São Paulo, São Bernardo e São Caetano, passam diariamente 30 mil veículos no sentido litoral e 40 mil no sentido São Paulo. Esse ponto também é entrada para três universidades.

"O problema se agrava por volta das 19 horas, quando o pessoal começa a chegar para as universidades e o trânsito fica realmente pesado", reclama o estudante Carlos Borges Souto. Todos os dias, ele fica parado por quase 30 minutos só na entrada do bairro Rudge Ramos.

Para diminuir esse problema as faixas de rolamento das alças serão ampliadas, nas conexões com as Avenidas Taboão e Doutor Rudge Ramos. "Vamos criar faixas de aceleração, evitando que os veículos demorem muito tempo para entrar nas avenidas", explica o secretário de Transporte da prefeitura de São Bernardo, Oscar José Gameiro. "Em todo o entorno também haverá intervenções com ajustes em sinalização, melhorias em passeios para pedestres e no acesso à Avenida Lauro Gomes."

Mais pistas. No km 16, por onde passam 87 mil veículos por dia no sentido litoral e outros 50 mil no sentido capital, a prefeitura também prevê a ampliação de faixas. Mas a principal obra é a construção de alça no sentido capital. Os motoristas precisam fazer uma volta por dentro do bairro para sair da Anchieta e entrar no sentido Diadema. No horário de pico, o trecho fica lotado de carros em todas as direções.

Essa obra vai necessitar de desapropriações num quarteirão residencial ao lado da Avenida Lions, no entroncamento com a Via Anchieta. As obras nesse trecho devem ter começar no ano que vem.

Mais viaduto. A terceira intervenção na Anchieta, no km 22,5, vai finalmente dar utilidade a um viaduto construído pelo governo do Estado há 32 anos e que está abandonado. A repaginação dará uma ligação à Avenida Café Filho, ligação entre os bairros Assunção e Ferrazópolis. "Estudos de carga mostram que a estrutura do viaduto pode ser usada com segurança", diz Gameiro.

A ligação vai desafogar o trânsito das Avenidas Capitão Casa e Café Filho e diminuir os engarrafamentos no km 23. Nesse ponto, segundo a Ecovias, passam por dia 86 mil veículos no sentido litoral e 78 mil para a capital.

"O trânsito sempre trava nesse acesso", conta o caminhoneiro José Carlos Rodrigues. "Os caminhões querem entrar na Avenida Maria Servidei Demarchi para ir à Volks e em outras várias empresas nessa via. Veículos particulares procuram acesso aos bairros."

PARA ENTENDER

As marginais da Anchieta em São Bernardo do Campo têm características de grandes avenidas. Hoje, a velocidade máxima permitida é de 90 km/h. Nos horários de pico, o volume de veículos chega a 1.150 por hora. A lentidão é reflexo dos congestionamentos nas entradas e saídas dos bairros. Dados da prefeitura de São Bernardo apontam que 25 avenidas no município recebem volume superior à capacidade nos horários de pico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.