Rafael Arbex / ESTADAO
Rafael Arbex / ESTADAO

Lotação não preocupa os novos passageiros do Metrô de São Paulo

Tempo curto de viagem motiva usuários a optarem pelo transporte

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

09 de maio de 2015 | 03h00


SÃO PAULO - A rapidez no tempo de viagem, mesmo diante do desconforto de uma rede cada vez mais lotada, ainda é um dos fatores citados pelos passageiros para justificar a opção pelo metrô. A representante comercial Jorziana Costa, de 35 anos, começou a usar o transporte quase diariamente há cerca de um mês. “Se você tivesse perguntado quantas vezes eu andei de metrô no passado, diria uma vez por ano”, contou, perdida entre sacolas e blusas de frio, enquanto se informava sobre como recarregar o bilhete único, na quinta-feira, na Estação Palmeiras-Barra Funda.

A empresa onde ela trabalha se mudou para a zona oeste neste ano. A representante, que antes visitava clientes de ônibus, percebeu que o dia renderia mais se optasse pelos trilhos. “É mais rápido ir de metrô, mesmo superlotado”, garante.

Ela não reclama da lotação. “A pessoa que vai tomar condução sabe que não é confortável.” Ela conta, no entanto, que preferia estar no carro, embora tivesse dúvida se chegaria mais rápido a seus destinos ou não.

Outra novata no sistema sobre trilhos é a operadora de telemarketing Fernanda Alves Rodrigues, de 23 anos. Ela passou a andar de metrô por um motivo simples: antes, não trabalhava. “Não saía muito do bairro. De vez em quando, nos fins de semana, para fazer algo diferente. Mas não todos os dias, como agora”, contou. Ela conta ainda com uma facilidade: a empresa onde trabalha fica perto da estação de metrô.

Tudo o que sabemos sobre:
MetrôSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.