Lorca, poeta da imagem

Malandragem, de 1949, é uma das mais evocativas fotografias de German Lorca, feita num botequim da esquina da Rua Almirante Barroso com a Rua Bresser, no bairro do Brás. Ele, já casado, morava quase ao lado. Debruçava-se na janela de sua casa, à noite, com a esposa, para ouvir Nelson Gonçalves. O cantor havia morado na Almirante Barroso, antes de mudar para o Rio. Ocasionalmente, voltava para visitar o barbeiro, ali vizinho, de quem fora cliente e era amigo. Ia para o boteco bater papo e deixava-se ficar. Então, a pedidos, soltava a voz: "Boemia, aqui me tens de regresso... (...) Voltei para rever os amigos, que um dia eu deixei a chorar..."

JOSÉ DE SOUZA MARTINS, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2012 | 03h01

Fui rever Malandragem na retrospectiva da obra de Lorca em preto e branco, que se realiza no Museu de Arte Moderna, no Ibirapuera, até 27 de maio. Embora a mostra reúna fotos feitas em diversas localidades e até fora do Brasil, a cidade de São Paulo é a grande personagem do imaginário poético e afetivo de Lorca. Se em algumas vezes ele cria a situação que lhe permita fotografar na perspectiva do que para Henri Cartier Bresson é o momento decisivo, a armadilha visual para capturar o sujeito da imagem, em outras ele faz expressivas fotografias de um repórter, que se deixa capturar pelo momento decisivo que o chama. Lorca é o mestre da estética da imaginação e da oportunidade. Justamente, Revolta dos passageiros, de 1947, é a foto de um inesperado bonde em chamas, cercado pelos bombeiros, nas proximidades do Gasômetro. Lorca trabalhava no centro da cidade. Ao ver a fumaça, saiu correndo pela Rangel Pestana abaixo para fazer em tempo uma das mais notáveis fotografias de rua de São Paulo, na moldura esfumaçada do protesto popular. A mesma prontidão de Cortiço no Brás, na ternura de um garotinho descalço que olha para o lado, atraído pela presença do inesperado fotógrafo.

O olhar de Lorca passeia pelas ruas, na preferência pelos dias de chuva, os olhos postos no reflexo das poças d'água, do pedestre tão urbano. E, quando se ergue, retém as linhas retas invasivas e frias, como em Fábrica de asfalto e Telhados. Ele explora com sensibilidade a janela de sua casa, no Brás, em dias de sol e dias de chuva. Garimpa as criações dos reflexos, as deformações eloquentes em detalhes, como em Reflexo na janela. O confinamento doméstico nas horas de descanso empurra o inquieto artista na direção da busca de tesouros visuais em minúcias que só ele pode ver. Inquieto até hoje, nos seus belos e monumentais 90 anos de idade, que discorre com uma memória invejável sobre os momentos e inspirações de cada uma de suas fotos.

Lorca mantém viva a tradição modernista, inventiva e criativa do Foto Cine Clube Bandeirante, de que foi destacado membro na mesma geração de Thomas Farkas e de Geraldo de Barros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.