Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Lojistas se dividem sobre fechamento do Shopping Center Norte

Enquanto alguns apoiam, por medo da explosão, outros não acreditam que haja risco

Ricardo Chapola, estadão.com.br

04 Outubro 2011 | 20h38

SÃO PAULO - A notícia de que a prefeitura vai fechar o shopping Center Norte amanhã causou reações opostas entre lojistas. Enquanto alguns apoiam, por sentirem medo de uma explosão, outros discordam e não acreditam que o local será, de fato, fechado.

"Nem parei para pensar no meu futuro porque acho que vão dar um jeito de manter aberto", disse uma funcionária do quiosque Lendas e Fantasias, que comercializa produtos esotéricos. Mas, só para garantir, ela vai telefonar para a loja antes de sair de casa amanhã. "Esse negócio de liminar é muito bagunçado."

Já a recepcionista do salão Mirror, que trabalha há quatro anos no shopping, está torcendo para que o local seja lacrado. Ela diz que o movimento já caiu bastante - as clientes telefonam dizendo que trocaram de cabeleireiro por precaução - e que se sentiria mais segura sem ter de passar o dia todo com medo de uma explosão. "É horrível. As pessoas não pensam na gente. Porque o cliente, ou fica meia horinha e vai embora ou nem aparece. Agora eu, fico das 14h às 22h sob risco."

Fátima também tem muito medo. Ela conta que um dos poços de medição fica perto da joalheria onde trabalha. "Inclusive os bombeiros jogaram água hoje. Fiquei ainda com mais medo. Qualquer barulho, acho que vai explodir."

Alarde. Para uma funcionária da Ótica Mitani, é muito alvoroço para nada. "É muito alarde para pouco risco efetivo de explodir", diz. Segundo ela, o esforço do Center Norte está sendo negligenciado. "Depois do horário do expediente, esse shopping é um canteiro de obras. Eles estão fazendo a parte deles. Não dá para ter um pouco de paciência?"

A gerente da loja Ricca, que vende roupas, culpa a imprensa. "A mídia fez um exagero, como se fosse explodir em 5 minutos. Não pensou nem um pouco na gente. Por isso as vendas caíram."

O shopping Center Norte, que funciona há 27 anos no local, tem 331 lojas e 6 mil funcionários diretos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.