Lojas da 25 também apostam em presidente do STF

Sua máscara sai por R$ 10 enquanto a dos réus do mensalão custam R$ 7; neste ano, a de Lula tem tido pouca saída

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2013 | 02h07

Ponto tradicional de vendas de acessórios e fantasias de carnaval, a Ladeira Porto Geral, na região da Rua 25 de Março, centro de São Paulo, exibe nas vitrines máscaras com o rosto dos personagens do mensalão - do ex-deputado federal Roberto Jefferson ao ex-ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência da República Luiz Gushiken. Mas a grande aposta é, como vem ocorrendo no Rio e em outras cidades, a máscara do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, vendida a R$ 10. As demais custam R$ 7.

"Desde o fim do ano, clientes começaram a procurar pela máscara do Joaquim", conta a gerente da loja Festas e Fantasias, Alzira Soares de Freitas. Ao contrário do comércio do Rio, na capital ainda há muito produto à venda.

As irmãs Fátima Abizera, de 50 anos, e Sandra Coutinho, de 42, ficaram surpresas quando deram de cara com a máscara de Barbosa sobre a prateleira da loja de fantasias. "Não sabia que ele era personagem do carnaval. Acho ótimo porque o Brasil precisa mesmo de símbolos de honestidade", disse Fátima, que levou uma para o marido.

Empresária de Londrina, Sandra, que passa as férias em São Paulo, comprou duas. "Vou levar uma para mim e outra para o meu irmão. Minha sobrinha faz aniversário no carnaval e a família aproveita para fazer uma festa temática", explicou.

Personalidade. Nas lojas da Ladeira Porto Geral, é possível encontrar máscaras de todas as personalidades nacionais e internacionais. Tem, por exemplo, do rei do pop, Michael Jackson, à rainha Elizabeth.

Algumas viraram peças clássicas. E não podem faltar no comércio nesta época. É o caso da máscara do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Neste ano, porém, a dele foi parar na prateleira da turma do mensalão. "Mas ainda não está vendendo tanto assim", diz Alzira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.