Lojas da 25 também apostam em presidente do STF

Sua máscara sai por R$ 10 enquanto a dos réus do mensalão custam R$ 7; neste ano, a de Lula tem tido pouca saída

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2013 | 02h07

Ponto tradicional de vendas de acessórios e fantasias de carnaval, a Ladeira Porto Geral, na região da Rua 25 de Março, centro de São Paulo, exibe nas vitrines máscaras com o rosto dos personagens do mensalão - do ex-deputado federal Roberto Jefferson ao ex-ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência da República Luiz Gushiken. Mas a grande aposta é, como vem ocorrendo no Rio e em outras cidades, a máscara do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, vendida a R$ 10. As demais custam R$ 7.

"Desde o fim do ano, clientes começaram a procurar pela máscara do Joaquim", conta a gerente da loja Festas e Fantasias, Alzira Soares de Freitas. Ao contrário do comércio do Rio, na capital ainda há muito produto à venda.

As irmãs Fátima Abizera, de 50 anos, e Sandra Coutinho, de 42, ficaram surpresas quando deram de cara com a máscara de Barbosa sobre a prateleira da loja de fantasias. "Não sabia que ele era personagem do carnaval. Acho ótimo porque o Brasil precisa mesmo de símbolos de honestidade", disse Fátima, que levou uma para o marido.

Empresária de Londrina, Sandra, que passa as férias em São Paulo, comprou duas. "Vou levar uma para mim e outra para o meu irmão. Minha sobrinha faz aniversário no carnaval e a família aproveita para fazer uma festa temática", explicou.

Personalidade. Nas lojas da Ladeira Porto Geral, é possível encontrar máscaras de todas as personalidades nacionais e internacionais. Tem, por exemplo, do rei do pop, Michael Jackson, à rainha Elizabeth.

Algumas viraram peças clássicas. E não podem faltar no comércio nesta época. É o caso da máscara do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Neste ano, porém, a dele foi parar na prateleira da turma do mensalão. "Mas ainda não está vendendo tanto assim", diz Alzira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.