Loja de Ricardo Almeida é roubada nos Jardins

A loja do estilista Ricardo Almeida na Rua Bela Cintra, nos Jardins, zona sul de São Paulo, foi furtada no fim da madrugada de ontem. Os ladrões quebraram a vitrine e levaram calças e camisas que estavam no piso térreo. Eles fugiram e, até as 20h de ontem, não tinham sido capturados.

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2013 | 02h04

Personalidades como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usam criações de Ricardo Almeida. Um terno da grife chega a custar R$ 20 mil. Os modelos mais baratos saem por R$ 2,5 mil.

Segundo o estilista, há uma gangue agindo nos Jardins e o alvo são lojas de grife. "A polícia já está cercando", afirmou. O caso foi registrado no 78.º Distrito Policial (Jardins), mas a polícia não deu detalhes da investigação.

Almeida disse que tem seguranças, mas eles estavam a 50 metros da loja na hora do furto. "Quando estouraram a vitrine, o nosso pessoal foi para cima e os caras então fugiram. Levaram pouca coisa. Não fizeram uma limpa na loja. Foi mais o estrago, porque quebraram vidro, a vitrine", explicou Ricardo Almeida, sem detalhar o montante do prejuízo. Os bandidos fugiram em dois carros não identificados.

O estilista disse que as imagens do circuito interno de vigilância não mostram claramente o que aconteceu durante o assalto. "A gente vai trocar por câmeras com infravermelho. Foi às 5h20, então estava escuro, não pegava o rosto deles direito."

Para Almeida, é preciso também que os consumidores tenham consciência e evitem comprar roupas ao suspeitar que sejam roubadas. "A população deveria se unir. Quando roubam peças nossas ou de outras marcas, é para vender."

As roupas de Ricardo Almeida têm código, o que pode facilitar a localização de produtos roubados. "Essas peças têm um supercontrole. Uma vez desviaram roupas nossas e, felizmente, alguém nos avisou. Descobrimos que estavam vendendo no Embu por R$ 100 uma polo de R$ 230. Pegamos a pessoa."

Nos últimos quatro meses, outra loja de grife da Bela Cintra, a Reserva, foi alvo de furto por duas vezes.

Há quatro dias, os responsáveis pelo estabelecimento colocaram um vídeo na internet usando as imagens das câmeras de segurança, mostrando os ladrões levando as peças de roupa, como se fosse uma peça de publicidade para promover a liquidação de verão. "Não precisa quebrar a vitrine. Apenas entre", diz uma das mensagens. O vídeo afirma que há pessoas fazendo loucuras pela marca. O lema da campanha publicitária é "transformando limão em limonada". Até as 20h de ontem, o vídeo tinha mais de 108 mil visualizações.

Segundo o proprietário da Reserva, Rony Meisler, a ideia surgiu durante uma reunião. As imagens despertaram a curiosidade das pessoas e um designer sugeriu que fossem colocadas na internet. "É rir das nossas desgraças. Não adianta reclamar."

Meisler afirmou que o objetivo inicial era a divulgação nas mídias sociais, mas o vídeo ganhou uma repercussão muito maior do que a esperada. Depois de dois furtos em quatro meses, ele adotou também medidas de segurança que vão além das câmeras de segurança. "Aquela loja é um xodó. Foi suado comprá-la. Tem uma fachada incrível, linda. Mas, agora, tivemos de colocar grades na frente da vitrine." / COLABOROU VALÉRIA FRANÇA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.