Locadora culpa Prefeitura por falta de carro na administração

Briga entre empresa e a gestão municipal paralisa serviços como entrega de vacinas e coleta de exames, entre outros

RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2011 | 03h03

A Brasil Dez, empresa de locação de carros contratada para entregar vacinas e exames pela Prefeitura, culpa a administração por não conseguir fornecer o número suficiente de veículos. Segundo a empresa, bases da Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa) estão recusando motoristas da empresa e não formalizaram sua renovação de contrato. Além disso, piquete de motoristas de outras empresas estaria bloqueando a entrada das bases, impedindo que os serviços sejam prestados.

Como o Estado revelou ontem, uma briga judicial entre a Brasil Dez e a Prefeitura está paralisando parte dos serviços de entrega de vacinas, coleta de exames de sangue, combate à dengue, fiscalização de maus-tratos contra animais e consultas médicas em casa, entre outros. O problema se agravou na semana passada, quando uma decisão judicial obrigou a Prefeitura a recontratar a Brasil Dez, que teve o contrato encerrado em maio deste ano, após ter feito esse serviço por um ano.

A empresa afirma que a intimação municipal para que voltasse a prestar o serviço foi feita de última hora. "Nos avisaram em um despacho no Diário Oficial publicado no sábado, para que começássemos na segunda. Como uma empresa pode mobilizar 622 veículos da noite para o dia dessa maneira?", questiona o gerente comercial da empresa, Jair Valente Fernandes.

Ele também diz que a Prefeitura ainda não formalizou a renovação do contrato nem expediu a ordem de início para o fornecimento dos veículos. "Temos de esperar a Prefeitura fazer sua parte e resolver essa pendência jurídica. Precisamos desses documentos para emitir nota e contratar pessoal", afirma.

Procurada no fim da tarde, a Prefeitura disse que não conseguiria responder ontem às acusações da Brasil Dez. Um recurso contra a obrigação de se contratar essa empresa foi protocolado e está sob análise da Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.