Lixão foi lacrado em 2001

No início dos anos 1990, o lixão do bairro de Canabrava era uma montanha de dejetos no meio de Salvador. O lixo se espalhava por 66 hectares (o equivalente a 70 campos de futebol) e a altura das pilhas de resíduos chegava a 35 metros (um prédio de 11 andares). A situação perdurou até 1998, quando foi inaugurado o Aterro Sanitário Metropolitano, no limite com Simões Filho e Lauro de Freitas. Três anos depois, o lixão de Canabrava foi lacrado e aterrado.

O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2014 | 02h01

Mas o lixão também era fonte de sobrevivência para cerca de mil pessoas que buscavam objetos de valor nas montanhas de dejetos. "Era a forma que a gente tinha para ganhar algum dinheiro", lembra José Olímpio dos Reis Santos, de 56 anos. Ele é um dos muitos catadores que receberam treinamento ambiental, fruto de parcerias entre governos e ONGs, e foram absorvidos por cooperativas.

Mas o Nordeste ainda tem muito a avançar. Dos 184 municípios do Ceará, por exemplo, só dez destinam resíduos para aterros. Estima-se que o Estado tenha mais de 280 lixões. A Secretaria das Cidades do Estado chegou a formar 22 consórcios para a criação de aterros, mas só 9 estão em andamento e 4 em licitação.

O maior consórcio, do Aterro Sanitário da Região do Cariri, ainda não saiu do papel. O projeto esbarrou em um erro orçamentário. Segundo o presidente do consórcio e prefeito de Farias Brito, Vandevelder Francelino (PCdoB), o custo previsto era de R$ 23 milhões. Depois de ter concluído o financiamento, o valor foi ajustado para R$ 38 milhões. "Agora estamos tentando uma parceria público-privada", disse Francelino.

Segundo o geógrafo do Instituto Federal de Educação do Ceará (IFCE) Sandro Leonel, 30% dos mananciais da região do Cariri estão comprometidos, por causa do manuseio inadequado do lixo. "Se permanecer como está, o problema ficará maior e ocasionará um caos no fornecimento de água potável." / MADSON VAGNER, ESPECIAL PARA O ESTADO, e TIAGO DÉCIMO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.