Priscila Mengue/Estadão
Priscila Mengue/Estadão

Livro resgata história das esculturas da Faculdade de Direito da USP

Instituição é tombada em nível estadual; dentre as peças, está a primeira estátua pública da cidade de São Paulo

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 14h49

SÃO PAULO - Em 25 de outubro de 1890, mais de mil pessoas saíram pelas ruas do centro de São Paulo empunhando lanternas e flâmulas coloridas. A marcha antecedia a inauguração da primeira estátua pública da cidade, disposta no Largo São Francisco, na Sé, e exibida pela primeira vez na manhã seguinte. Trata-se de uma escultura de José Bonifácio, morto quatro anos antes. Décadas depois, a peça ganhou novo endereço: o interior da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), localizada junto ao largo.

Essa história é contada pelo livro Esculturas da Faculdade de Direito, de autoria da professora da USP Heloisa Barbuy. A obra foi lançada em 2017 e deve ser a primeira da "Coleção Patrimônio Histórico da Faculdade de Direito".

+ Condephaat quer rever tombamento e flexibilizar uso e ocupação dos Jardins

Ao todo, o livro reúne a história de 27 esculturas dispostas na Faculdade de Direito da USP, que é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) desde 2002. Entre as peças, estão medalhões e bustos de personalidades públicas, como Rui Barbosa e Castro Alves. 

Uma das esculturas de maior destaque é um dos três exemplares do "Monumento aos Acadêmicos de Direito Mortos por São Paulo em 1932", da artista Adriana Janacópulos. Os outros dois foram instalados na Escola Politécnica e na Faculdade de Medicina da USP.

Como modelo para a peça, que é um busto de um ex-combatente, teria posado o político e jornalista Carlos Lacerda. Sob a escultura, uma inscrição traz a frase "Quando se sente bater no peito heroica pancada, deixa-se a folha dobrada enquanto se 'vae' morrer..."

O livro está à venda na Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito (Rua Riachuelo, 185 - 4º andar). Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3101-8489. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.