Livro liga desaparecimento de engenheira a morte de policiais

Em ''Elite da Tropa 2'', PM que denuncia envolvimento de colegas em morte de jovem é assassinado por vingança

Márcia Vieira,

03 de outubro de 2010 | 00h13

Elite da Tropa 2 traz os bastidores de dois crimes que chocaram os cariocas há dois anos. O de uma engenheira, na Barra da Tijuca, zona oeste, e o de dois policiais militares na Lagoa, zona sul. Aparentemente sem relação, os dois casos são interligados no livro e os algozes têm relação com a milícia.

Na madrugada de 14 de junho de 2008, a engenheira Patrícia Branco, de 24 anos, desapareceu na Estrada Lagoa-Barra quando voltava de um show na Urca, zona sul. Seu carro foi encontrado na beira do Canal de Marapendi com marcas de tiro. O corpo nunca apareceu. Os dois policiais acusados do crime ainda não foram julgados. Um mês depois do sumiço da engenheira, dois PMs foram assassinados com 15 tiros quando estavam em uma patrulha na Lagoa. Os assassinos e o motivo nunca foram revelados.

Em Elite da Tropa 2, os episódios são descritos com impressionante riqueza de detalhes. No livro, a engenheira vira arquiteta. Um PM acerta um tiro na cabeça dela ao tentar parar um carro que havia furado o bloqueio de uma blitz. Quando percebe que matou uma inocente, ele pede ajuda de milicianos para sumir com o corpo. O carro é jogado no canal e o corpo é levado para ser enterrado no alto da Favela da Rocinha. A ideia é pôr a culpa pela morte nos traficantes.

Na vida real, a Polícia Civil culpou os PMs. Já a PM culpou os traficantes e fez incursão na favela atrás do corpo de Patrícia.

No livro, o PM assassino acaba sendo denunciado à cúpula da corporação por um outro policial, honesto, que descobre a trama dos milicianos.

Por isso, a operação na Rocinha é interrompida no meio, antes de o corpo ser "encontrado". Esse é o policial assassinado na Lagoa, como vingança por ter atrapalhado os planos da milícia. Os autores do livro não confirmam que a versão seja 100% verdadeira, mas o que se diz na Polícia Civil é que esta foi a linha de investigação seguida.

TRECHOS

"Pior, muito pior que traficantes, os milicianos estão nas polícias e no Parlamento, organizados.

A polícia foi concebida para combater o crime. Hoje, no Rio, ela é o crime. Calma. Tem muita gente boa dispersa por aí, nas duas polícias, que arrisca a vida. Parece coisa de doido?

Parece não. É."

Serviço

TROPA DE ELITE 2. PRODUÇÃO: ZAZEN PRODUÇÕES E GLOBO FILMES DIREÇÃO: JOSÉ PADILHA ESTREIA: 8 DE OUTUBRO SITE: WWW.TROPA2.COM.BR

ELITE DA TROPA 2. AUTORES: ANDRÉ BATISTA, CLÁUDIO FERRAZ, LUIZ EDUARDO SOARES E RODRIGO PIMENTEL EDITORA: NOVA FRONTEIRA

PÁGINAS: 304 PREÇO: R$ 39,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.