''Linha do futuro'' fica sem internet

Promessa era ter serviço para todos os usuários, mas nem telefone celular funciona nos trens

Daniel Gonzales e Gabriel Vituri, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2011 | 00h00

Inaugurada em 25 de maio de 2010, a Linha 4-Amarela foi apresentada como uma das mais modernas do mundo. O carro-chefe da tecnologia no subterrâneo seria o acesso à internet sem fio. No entanto, sete meses depois da entrega das duas primeiras estações, não é possível nem usar o celular nas estações ou trens. E a promessa de internet ainda não saiu do papel.

A ViaQuatro, empresa que administra a linha, afirmou que trabalha para ter o serviço de celular de todas as operadoras, mas o acesso à internet ainda não foi concebido para a linha. A disponibilidade para a população, segundo a concessionária, "pode não ser viável no médio prazo".

Outro orgulho tecnológico da linha é o sistema driverless - que dispensa a presença de um condutor na composição. Mas ele também falha. Na primeira quinzena de dezembro, segundo um usuário da linha que preferiu não se identificar, um problema na condução automática fez a viagem entre as Estações Faria Lima e Paulista, que geralmente dura 3 minutos e meio, demorar cerca de 20 minutos.

"O driverless é um sistema seguro, e em casos de surgir algum problema ele automaticamente passa a operar em condição restritiva até a sua solução, uma característica de qualquer sistema de metrô", informa nota enviada pelo Metrô.

Horário. Desde sua abertura, a Linha 4-Amarela funciona em horário reduzido, das 9h às 15h. Mesmo assim, a tarifa de R$ 2,65 é cobrada de todos os usuários.

A justificativa para a restrição de funcionamento, segundo o Metrô, é a necessidade de mais testes, de sistemas e trens, durante um período em que as vias estejam livres. Assim, o horário padrão, entre 4h40 e meia-noite, prejudicaria o aperfeiçoamento e a manutenção do sistema.

No entanto, o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, já indica que pode ampliar o horário de funcionamento nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.