Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Linha 6-Laranja do Metrô: tatuzão começará a perfurar túnel no fim do ano

Evento com autoridades marcou descida da roda da máquina que fará a escavação do trecho entre as estações Vila Marina e São Joaquim; previsão é de início das operações em 2025

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2021 | 13h07

Um evento com autoridades na manhã desta terça-feira, 17, marcou a descida da roda de corte da máquina que fará a escavação do trajeto sul da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo. A montagem do equipamento ocorrerá ao longo dos próximos meses, com previsão de início da abertura do túnel até o fim de dezembro.

Segundo o governador João Doria (PSDB), trata-se da maior obra de infraestrutura urbana em andamento da América Latina. “É um investimento de R$15 bilhões, em regime de PPP”, destacou ao discursar no local.

Com obras paradas por quatro anos, a linha abrangerá 15 estações, ligando Brasilândia, na zona norte, até a região da Liberdade, no centro expandido. A estimativa é que transportará 633 mil pessoas por dia.

“Todo esse trabalho em conjunto fará que a Linha 6-Laranja seja uma realidade em 2025”, afirmou o secretário estadual de Transportes, Alexandre Baldy. Segundo ele, a obra reduzirá um trajeto que hoje dura 1 hora e meia para 23 minutos.

Popularmente chamada de “tatuzação”, a máquina tuneladora tem 10,6 metros de diâmetro, 109 metros de extensão e 2 mil toneladas. A capacidade de perfuração é de 12 metros por dia, com 45 pessoas na operação. Além disso, possui um refeitório interno, uma cabine de enfermagem e uma cabine de comando. 

A roda de corte fica na parte frontal da máquina, responsável por “cortar” o solo. “É a principal peça responsável por ir escavando”, apontou André de Angelo, diretor da Acciona, empresa espanhola que integra a concessionária Linha Universidade, responsável pela obra. A perfuração começará nas imediações da Ponte da Freguesia do Ó.

O trecho sul da nova linha abrangerá 10 quilômetros de extensão, entre as estações Santa Marina e São Joaquim, com a obra estimada em 30 meses. Já o norte terá 5,3 quilômetros, de Santa Marina até Brasilândia, incluindo escavação em rocha a partir de abril de 2022. Ele ficará pronto após execução prevista de 17 meses.

Segundo a Acciona, a obra é dividida em 19 frentes de trabalho simultâneas. A concessão envolve a operação do espaço por 19 anos.

A linha abrangerá as seguintes estações: Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba-Hospital Vila Penteado, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina, Água Branca, Pompeia, Perdizes, Cardoso de Almeida, Pacaembu, Higienópolis-Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista e São Joaquim. Ela terá integração com as linhas 1-Azul e 4-Amarela, do Metrô, e 7-Rubi e 8-Diamante, a CPTM.

Obras da Linha 6-Laranja ficaram paradas por quatro anos

Paradas por quatro anos, desde setembro de 2016, as obras da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo foram reiniciadas em outubro do ano passado. O contrato da implantação, manutenção e operação da linha foi comprado pela empresa espanhola Acciona em 2019. Antes ele era do consórcio Move São Paulo (formado pela Odebrecht TransPort, a Queiroz Galvão e a UTC Engenharia).

Embora o contrato do consórcio anterior tenha sido assinado em 2013, as obras foram iniciadas apenas em abril de 2015 e paradas no ano seguinte. Em 2008, o Estado chegou a noticiar que a linha começaria a operar de forma parcial em 2012 e integralmente três anos depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.