Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Linha 5-Lilás do Metrô só terá novas estações em agosto

Companhia confirmou novo atraso na entrega de estações previstas para o primeiro semestre. Etapa atrasada é considerada a mais importante pois fará conexão com o restante da rede metroviária

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

12 Julho 2018 | 03h00

SÃO PAULO - A Companhia do Metropolitana de São Paulo (Metrô) confirmou nesta quarta-feira, 11, novo atraso na entrega de estações previstas para o primeiro semestre. As dificuldades nas obras, segundo a empresa, afetaram oito paradas nas Linhas 5-Lilás e 15-Prata, com previsão anterior de abertura até 30 de junho.

+ Ao inaugurar três estações de metrô, Alckmin atribui atraso na obra à responsabilidade fiscal

Na Linha 5, as Estações AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin têm “entrega prevista para agosto”. “A Estação Campo Belo será entregue em dezembro”, disse a empresa, em nota.

Essa etapa da linha é a mais importante, porque é a que fará a conexão da Linha 5 com o restante da rede metroviária, fazendo com que pessoas que moram na zona leste e trabalham em Moema, por exemplo, consigam fazer a viagem inteira de metrô. E quem mora no extremo sul passará a ter conexão direta ao centro, desafogando a Estação Pinheiros.

+ Metrô de SP terá novo túnel da Estação Consolação à Paulista

Na Linha 15-Prata, zona leste, três das quatro estações atrasadas não têm mais data de conclusão: Fazenda da Juta, Sapopemba e São Mateus. O Metrô diz “ainda este ano”. No caso da Estação Jardim Planalto, a promessa é agosto. O cronograma do Metrô ainda mantém a previsão de concluir a Estação São Paulo-Morumbi, da Linha 4-Amarela, em setembro.

+ Para lembrar: Alckmin inaugurou seis estações de  metrô em três dias

Embora o governador Márcio França (PSB), candidato à reeleição, não possa fazer cerimônia de inauguração das paradas nos três meses anteriores ao pleito, poderá fazer “visitas técnicas” antes da abertura das estações.

+ Perto de inauguração, monotrilho para em 1 de cada 3 dias e tem obra apressada

Segundo o Metrô, todas as construções de grande porte "exigem altos investimentos e tempo considerável, pela dimensão e complexidade das obras, que podem sofrer intercorrências como demora na obtenção de licenças ambientais e complicações em processos desapropriatórios, ou até mesmo o abandono das obras pelas empreiteiras". As obras metroviárias estão sujeitas, de acordo com a estatal, "não somente a estas variáveis, mas também à crise econômica que se instalou no Brasil nos últimos anos".

Sistema

Desde o ano passado, era divulgado um relatório mensal de acompanhamento das obras no site do Metrô, com prazos de entrega previstos. Esse sistema não tinha atualização desde março e novos relatórios foram publicados no sistema apenas nesta semana.

Mas os documentos, agora, foram incluídos sem os prazos previstos de entrega de cada estação. Após questionamento feito pelo Estado, o Metrô informou que vão voltar a publicar os prazos no relatório ainda nesta quinta-feira, 12.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.