GABRIELA BILO/ ESTADAO
GABRIELA BILO/ ESTADAO

Linha 4-Amarela do Metrô deve ser retomada em abril

Aviso faz convocação para retirada de edital da concorrência para as Estações Higienópolis, Oscar Freire, Morumbi e Vila Sônia

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O Metrô retoma nesta terça-feira, 24, a licitação das obras para conclusão da Linha 4-Amarela, paralisadas desde junho. Um aviso publicado no Diário Oficial do Estado desta terça-feira convoca empresas para retirar o edital da concorrência para o término das Estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, além de uma extensão do pátio de manobras do ramal.

Segundo o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, “a previsão é de que a licitação termine entre 120 e 180 dias”, fazendo com que as obras voltem, de fato, a partir de abril do ano que vem. “Após ser retomada, a Estação Higienópolis-Mackenzie deve ficar pronta em 12 meses”, disse. “A Oscar Freire, em 15 meses. Já a Estação São Paulo-Morumbi termina em 18 meses. E a Vila Sônia, em 36 meses. Mas vamos trabalhar muito para antecipar esse prazo”, prometeu.

A liberação para a retomada da obra vem após o Banco Mundial, órgão financiador da empreitada, emitir a chamada “não objeção” - um atestado de que o projeto elaborado pela companhia tem condições de seguir. O Estado só podia partir para a contratação de empreiteiras depois de receber essa sinalização do banco. 

Segundo Pelissioni, a nova licitação está estimada em R$ 1,3 bilhão. O dinheiro vem de um financiamento que a gestão Geraldo Alckmin (PSDB) já obteve no Banco Mundial. “Todo o dinheiro da obra vem de financiamento, não precisamos usar recursos do Tesouro”, completou o secretário. 

Parte do recurso financiado pelo banco vem de uma linha de crédito que o Estado já tinha, e não chegou a usar, para a construção da Linha 5-Lilás, da zona sul, que foi transferido para a Linha 4-Amarela. O governo teve de obter da Assembleia Legislativa autorização para usar a verba de uma linha em outra. 

As obras estavam paralisadas depois de uma ruptura entre o governo do Estado e o consórcio formado pelas empresas Isolux, Corsán e Corvian, após as obras seguirem por ritmo lento desde o segundo semestre do ano passado. 

Cisão. A empresa criticou a “falta de gestão” por parte do Estado para a obra. Já o governo avaliou que o consórcio não conseguia cumprir os prazos. As multas dessa ruptura ainda estão sendo discutidas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.