Linha 4-Amarela fica fechada neste domingo

Todas as seis estações (Butantã, Pinheiros, Faria Lima, Paulista, República e Luz) deixarão de abrir para testes da Fradique Coutinho

O Estado de S. Paulo

31 de outubro de 2014 | 18h23

SÃO PAULO - Todas as seis estações da Linha 4- Amarela do Metrô (Butantã, Pinheiros, Faria Lima, Paulista, República e Luz) ficam fechadas neste domingo, 2. Os últimos testes de sinalização e controle de trens serão feitos para a abertura da Estação Fradique Coutinho, prevista para 15 de novembro.

A concessionária ViaQuatro, que opera a Linha 4, colocará ônibus à disposição dos passageiros para o transporte entre as Estações Butantã, Pinheiros e Faria Lima até a Estação Clínicas, da Linha 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena). As viagens de ônibus serão gratuitas. 

Os usuários da CPTM que desembarcarem na Estação Pinheiros, da Linha 9- Esmeralda (Osasco-Grajaú), e que não poderão se transferir para a Linha 4-Amarela, também serão atendidos por ônibus. Serão distribuídas senhas na área paga da Estação Pinheiros, próximo aos bloqueios. Estas senhas possibilitarão aos usuários seguirem viagem até a Estação Clínicas, da Linha 2-Verde. No sentido inverso, as senhas serão distribuídas também na área paga da Estação Clínicas, perto dos bloqueios.

Esta senha garante somente a transferência entre as Estações Pinheiros e Clínicas e vale apenas para este domingo, dia da interdição.

Outras informações podem ser obtidas na Central de Informações do Metrô (0800 770 7722), diariamente, das 5h30 às 23h30, ou na Central de Atendimento da concessionária ViaQuatro (0800 770 7100), de segunda a sexta-feira, das 6h30 às 22h00; sábado e domingo, das 8h00 às 18h00.

Nova estação. A Estação Fradique Coutinho funcionará, inicialmente, das 10h às 15h. Somente a partir do dia 22, de acordo com a ViaQuatro, Fradique Coutinho funcionará em horário integral, ou seja, entre 4h40 e meia-noite. A estação fica na Rua dos Pinheiros, altura do número 620, na esquina com a Rua Fradique Coutinho, em Pinheiros, na zona oeste da capital paulista. A parada tem duas entradas pela Rua dos Pinheiros, mas nenhuma pela Avenida Rebouças, que fica a um quarteirão de distância e é a via mais movimentada das imediações.

Por ela, devem passar, inicialmente, 15 mil usuários por dia, chegando a 25 mil no futuro, conforme cálculos do Metrô de São Paulo, que construiu a obra, antes de entregá-la à ViaQuatro, que, nas últimas semanas, fez testes nos sistemas da estação. Trata-se da 66.ª estação da rede de metrô de São Paulo, que tem 75,3 km de comprimento.

 

Tudo o que sabemos sobre:
MetrôSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.