Lindemberg ficou chocado ao saber da morte de Eloá

Seqüestrador de Eloá está isolado em uma cela, não tem contato com outros presos e direito a banho de sol

Simone Menocchi, de O Estado de S. Paulo,

23 de outubro de 2008 | 19h04

Lindemberg Alves, de 22 anos, ficou chocado ao receber a notícia da morte da ex-namorada Eloá Cristina Pimentel, de 15 anos, que manteve refém por quase 101 horas e foi baleada pelo seqüestrador após a invasão do Gate no apartamento. Os advogados Ana Lúcia Assad e Edson Pereira, que fazem a defesa de Lindemberg, estiveram na quarta-feira, 22, na Penitenciária de Tremembé, onde o jovem está preso desde a última segunda. "Ele ficou muito triste, muito emocionado, chocado com a morte de Eloá", disse Assad, com a voz embargada e de óculos escuros.   Veja também: Equipe do Gate pode ter se confundido com tiro, admite coronel 'Não houve tiro antes da invasão', afirma Nayara à polícia Inquérito sobre seqüestro de Eloá será concluído na sexta-feira Gate pode ser punido por ter negociado no caso Eloá Perguntas e respostas sobre o caso Eloá  Especial: 100 horas de tragédia no ABC   Mãe de Eloá diz que perdoa Lindemberg  Imagens da negociação com Lindemberg I  Imagens da negociação com Lindemberg II  Especialistas falam sobre o seqüestro no ABC Galeria de fotos com imagens do seqüestro  Todas as notícias sobre o caso Eloá           Os advogados ficaram quatro horas na penitenciária conversando com a direção do presídio e com Lindemberg, separadamente. "Ele está bem, está calmo, sereno, tranqüilo e aproveitou para mandar um recado para a mãe dele". Lindemberg pediu à advogada para que ela dissesse à sua mãe, Maria de Lourdes, que ele a ama e ama a sua família.   Desde que chegou à penitenciária Lindemberg permanece isolado em uma cela pequena, faz refeições sem sair do local e não tem direito ao banho de sol, nem contato com nenhum outro preso. Na penitenciária há 345 detentos, como juízes, funcionários públicos, ex-policiais militares e presos como Alexandre Nardoni, Marcos Valério e os Irmãos Cravinhos.   Lindemberg ainda vai passar, na próxima semana, por exames específicos, com clinico geral e psiquiatra. "Não queremos comentar nada disso". A mesma resposta foi dada pela advogada quando questionada sobre os tiros disparados. O jovem é acusado de matar a ex-namorada e também deve responder por duas tentativas de homicídio. "Não podemos dizer mais nada, por favor", pedia a advogada, depois de cinco minutos de conversa com a imprensa.   A defesa do jovem também está indignada com a proibição de ter presenciado o depoimento de Nayara, amiga de Eloá, em São Paulo. "Foi algo totalmente desagradável, que não deve se repetir jamais. Nós fomos impedidos de subir ao andar onde estava acontecendo a oitiva de Nayara. A defesa ficou indignada com essa postura, que acreditamos ser a ultima vez, e que a polícia e o Ministério Público não vão corroborar com isso".   Antes de partir para São Paulo, Assad justificou os motivos da transferência de Lindemberg para o interior. "Ele estava correndo sério risco. Aqui é para manter sua integridade física e sua segurança".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.