Lindemberg era como um filho, diz mãe de Eloá após audiência

Chorando, Ana Cristina afirmou que só queria olhar para o sequestrador e que 'meu olhar diria tudo'

Vitor Sorano, do Jornal da Tarde,

08 Janeiro 2009 | 14h53

Chorando muito, a mãe da menina Eloá Cristina Pimentel deixou o Fórum de Santo André, onde acompanhou os depoimentos na audiência que vai definir se o sequestrador da menina será levado a júri popular. "Lindemberg era da família, era como um filho. Agora eu não o reconheço mais. Queria olhar para ele para ter certeza do que ele fez. Hoje ele é outra pessoa", afirmou Ana Cristina Pimentel. Ela deixou o Fórum por volta das 12h30, acompanhada de José Beraldo, advogado da família.   A primeira fase de depoimentos acabou por volta das 12h30 e deve se retomada nesta tarde. A expectativa do promotor do caso, Antonio Nobre Folgado, é que todos os depoimentos sejam feitos até às 20 horas. O juiz José Carlos Carvalho Neto, do Júri de Execuções Criminais de Santo André, deve ouvir cinco testemunhas de acusação e outras 13 de defesa. Depois vai interrogar Lindemberg, acusado de assassinar a ex-namorada, e pode decidir se ele vai ou não a júri popular.    Veja também: Nayara confirma que não houve tiro antes da invasão Nayara presta depoimento sem a presença de Lindemberg Lindemberg está ansioso pelo depoimento, diz defesa Perguntas e respostas sobre o caso Eloá  Todas as notícias sobre o caso Eloá         Especial: 100 horas de tragédia no ABC        A mãe de Eloá chegou a ver Lindemberg, mas ele não olhou diretamente para Ana Cristina. Ela está fazendo tratamento psicológico desde a morte da filha e foi medicada com calmantes para conseguir sair do Fórum. Questionada sobre a punição de Lindemberg, ela afirmou que nenhum tempo é suficiente. "Mas eu não entendo de lei. Perdi uma filha que era maravilhosa na minha vida. Quem perdeu fui eu. Nada paga, cadeia, nada", disse.   Além disso, a mãe da menina afirmou que Lindemberg "sabe que é culpado e que poderia ter evitado tudo isso. Eu falei com ele, pedi que ele não fizesse, e ele fez". Ana Cristina também disse que espera que "tudo isso acabe e que a justiça seja feita como Deus quiser". Sobre o fato de Lindemberg não ter olhado diretamente a ele, Ana Cristina falou que "só queria olhar" para ele, pois "meu olhar diria tudo".

Mais conteúdo sobre:
caso eloá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.