Lindemberg diz que só atirou em Eloá após invasão da polícia

Declaração aparece em vídeo feito pouco depois da prisão do rapaz, após fim de seqüestro em Santo André

Redação,

22 de outubro de 2008 | 00h16

Pouco depois de sua prisão na sexta-feira, dia 17, Lindemberg Alves, 22 anos, disse que só atirou na ex-namorada Eloá Cristina Pimentel e em sua amiga Nayara Rodrigues, ambas de 15 anos, depois que a polícia efetuou a invasão do apartamento em Santo André onde mantinha as duas reféns. A declaração aparece em vídeo amador feito após a prisão do rapaz e exibido nesta terça-feira, 21, pelo Jornal da Record. Veja também:Pai de Lindemberg diz que o filho tem que pagar pelo que fezLindemberg ficará isolado 15 dias antes de exame psicológicoCorpo de Eloá é enterrado e 12 mil acompanham a cerimônia'Eu sabia', diz Nayara sobre morte de EloáLeia o depoimento de Nayara após ser libertada por Lindemberg'Eu perdôo Lindemberg', diz mãe de Eloá'Eu lembro que eu dei um na Eloá', diz Lindemberg Lindemberg é transferido para TremembéPolícia Civil investigará ação do Gate  100 horas da tragédia no ABC Saiba como foi o fim do seqüestro Galeria com imagens do seqüestro Todas as notícias sobre o caso Imagens da negociação com Lindemberg Alves I  Imagens da negociação com Lindemberg Alves II  Especialistas falam sobre o seqüestro no ABC Eloá, 'uma menina falante'; Lindemberg, 'um trabalhador' Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SP   No vídeo, o rapaz, que manteve as duas meninas reféns por cerca de 100 horas na semana passada, aparece nu e com as mãos para trás. Seu rosto está inchado.  Ao ser questionado sobre os disparos por um dos homens que está próximo dele, o rapaz responde que atirou depois do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) invadir o apartamento do Conjunto Habitacional do Jardim Santo André, em Santo André, no ABC paulista. Alves afirmou não se lembrar do calibre da munição que usou e negou que a espingarda encontrada no imóvel fosse sua.  O material divulgado nesta terça-feira complementa o que já havia sido divulgado pela mesma TV na segunda-feira. Seguem as declarações de Lindemberg veiculadas nesta terça:  - Porque a Eloá... a Eloá estava no sofá, né? A Eloá, na hora que eu virei de costas, a primeira coisa que fiz, atirei no sofá. Acho que foi primeiro na Eloá. Na Nayara, eu nem sabia que tinha atirado na Nayara.  - (Se atirou) Na polícia, na hora que invadiu? Não. Que eu lembro, não, nenhum tiro, nenhum disparo.  - Era emprestada (o revólver usado por ele).  - Eu "tava" negociando... aí, se for ver, nós jantamos, porque a gente não tinha comido nada o dia inteiro. Chegou um papel lá para mim, eu li, mas não entendi nada.  - Eu deixava as duas com privacidade, até porque eu não tinha nada para ver na minha mina que eu não conhecia. Pô, eu queria passar o máximo de tempo... Eu sabia que ia para a cadeia, aí eu falei: já que eu vou para a cadeia... Só queria que ela ficasse do meu lado.  - Tipo assim, ela dormia no quarto... Eu ficava na porta e vigiava ela. Eu dormia no sofá e a Nayara no colchão na sala.  - Foi a Eloá (que pediu para Nayara voltar ao cativeiro). Ela falou assim que a amizade delas era grande.  - Um eu conhecia e o outro eu tinha certeza que tinha namorada (Ao negar que estivesse com ciúmes dos dois garotos que faziam o trabalho escolar no apartamento de Eloá).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.