Líder ruralista é preso por envolvimento em rede de pedofilia

Vice-presidente foi afastado pela CNA; rede criminosa oferecia exploração sexual de jovens 'em domicílio'

ITAAN ARRUDA , ESPECIAL PARA O ESTADO , RIO BRANCO, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2012 | 02h04

Como parte da chamada Operação Delivery, o pecuarista Assuero Doca Veronez, de 62 anos, um dos vice-presidentes da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), foi preso ontem, no Acre, acusado de pertencer a uma rede de exploração sexual de adolescentes. A ação ganhou este nome porque a rede criminosa oferecia o "serviço" em domicílio. As adolescentes eram deixadas em motéis ou em casas afastadas do centro para garantir discrição ao criminoso que usava os serviços.

O juiz Romário Divino ainda expediu o pedido de prisão do pecuarista Adalho Cordeiro Araújo, de 79 anos. As detenções aconteceram em uma parceria entre a Polícia Federal e o Ministério Público Estadual. Araújo também é um pecuarista de destaque na região.

Os dois presos foram ouvidos na Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado, realizaram exames de corpo de delito no Instituto Médico-Legal e acabaram encaminhados ao Presídio Francisco de Oliveira Conde, onde aguardarão pronunciamento da Justiça. A Operação Delivery teve início com um trabalho conjunto entre a Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Acre. No dia 17 de outubro, foram presos os aliciadores, as pessoas que agenciavam os encontros - uma rede formada por sete suspeitos.

Os agenciadores foram monitorados 24 horas por dia, durante quatro meses. A partir daí, percebeu-se uma intricada rede de trabalho necessária para garantir a exploração sexual de meninas. Algumas eram maiores de 18 anos. Outras tinham entre 14 e 17 anos e nem todas eram pobres ou miseráveis.

Na ocasião, a direção da Polícia Civil e os delegados que comandaram a investigação informaram que algumas meninas "pertenciam à classe média". Essas não se prostituíam diariamente, tinham trabalho esporádico, mas dentro de um sistema com hierarquia e articulação por parte da rede de aliciadores.

Em material distribuído à imprensa ainda na manhã de ontem, a polícia informa que não está descartada a possibilidade de "outras prisões de pessoas envolvidas com exploração sexual e favorecimento à prostituição de crianças e adolescentes".

Afastamento. Ainda ontem, a CNA divulgou nota oficial sobre o caso, informando sobre o afastamento de Veronez da diretoria. "Ele permanecerá afastado até que sejam concluídas as investigações policiais sobre suposta rede de prostituição de menores", diz. "A CNA repudia a exploração sexual de menores e considera indefensável o envolvimento de qualquer cidadão com a prática de crimes desta natureza."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.