Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Líder do PT protocola ação contra alta da passagem de ônibus em SP

Pedido solicita a impugnação da planilha de custos usada pela São Paulo Transportes (SPTrans) para calcular a nova tarifa de ônibus na cidade

Marília Lopes, Central de Notícias

18 Fevereiro 2011 | 14h28

SÃO PAULO - Os advogados do vereador Ítalo Cardoso, líder da bancada do PT na Câmara Municipal protocolaram na manhã desta sexta-feira, 18, um mandado de segurança contra o prefeito Gilberto Kassab, com pedido de liminar, contra o reajuste da passagem de ônibus na capital, que subiu de R$2,70 para R$3 no dia 5 de janeiro.

 

O pedido solicita a impugnação da planilha de custos usada pela São Paulo Transportes (SPTrans) para calcular a nova tarifa de ônibus na cidade e, como consequência, pede o cancelamento do último reajuste da passagem.

 

De acordo com uma nota divulgada pelo PT, "são vários os indícios de que a planilha contém números distorcidos ou inflacionados, com a única finalidade de apresentar um cálculo que permitisse a gestão Kassab aumentar a passagem para R$ 3,00." A bancada do partido na Câmara propõe que a planilha da SPTrans seja submetida a uma auditoria independente para averiguar a consistência dos números apresentados.

 

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), por meio de sua assessoria de imprensa, ainda não confirmou o recebimento do pedido de liminar.

 

Protesto. Nesta quinta-feira, 17, pelo menos dez pessoas ficaram feridas durante confronto ocorrido ontem entre 400 manifestantes do Movimento Passe Livre, Guarda Civil Metropolitana e Tropa de Choque da Polícia Militar na frente da Prefeitura de São Paulo, no centro. Seis estudantes se acorrentaram nas catracas do hall de entrada da Prefeitura.

 

O estudante Vinicius Figueira, de 25 anos, foi espancado por PMs e detido. Os vereadores do PT José Américo Dias, Juliana Cardoso e Antonio Donato, que acompanhavam a manifestação, foram atingidos por gás de pimenta. Quatro manifestantes foram alvejados por balas de borracha. A PM disse que dois policiais foram feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.