Licitação pode reduzir custo de repasse em 16%

Um estudo da Fipe contratado pela São Paulo Transportes (SPTrans) apontou que uma nova licitação do serviço de permissionários (peruas) poderia resultar em uma economia de 16% no repasse aos cooperados.

, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2010 | 00h00

Esses cooperados já são menos remunerados, em comparação com as viações. Como não têm vínculos empregatícios, o transporte realizado pelos perueiros custa 48% menos para a Prefeitura de São Paulo. Atualmente, o repasse para as cooperativas por passageiro transportado é de R$ 1,18, em média, enquanto o das empresas de ônibus é de R$ 1,75 por pessoa.

Mas a diferença não entra no cálculo do subsídio fornecido mensalmente às dez viações de ônibus e cooperativas. São R$ 50 milhões por mês para custear as gratuidades concedidas a mais de 1,3 milhão de estudantes, idosos e deficientes. O valor chegou a R$ 70 milhões no ano passado, quando o prefeito Gilberto Kassab precisava cumprir a promessa de campanha de manter o valor da passagem em R$ 2,30 no ano posterior à sua reeleição.

Repasses. O ex-secretário Alexandre de Moraes chegou a mudar as regras para o repasse de recursos para os cooperados, na tentativa de tirar um pouco do poder dos diretores das cooperativas. Antes, eram esses líderes os responsáveis por receber os recursos da SPTrans e repassar aos cooperados.

A nova fórmula determinou que seriam os próprios funcionários que receberiam as quantias. No entanto, a distorção foi mantida, pois continuam sendo os diretores que indicam os valores que cada cooperado deve receber da SPTrans. / D.Z. e R.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.