JB Neto/Estadão
JB Neto/Estadão

Lerner vai propor a SP 'corredores circulares'

Urbanista e ex-prefeito que implementou sistema em Curitiba apresenta projeto hoje

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2013 | 02h04

Conhecido por implantar o sistema de corredores de ônibus de Curitiba (PR) nos anos 1970, o urbanista e ex-prefeito Jaime Lerner vai apresentar à Prefeitura de São Paulo projeto que propõe a criação de uma rede expressa de corredores para a cidade. Seriam três grandes corredores circulares, que fariam do transporte coletivo "uma alternativa inquestionável ao uso continuado do carro" e parecida com "qualquer rede de metrô".

Ele apresentará um estudo sobre o assunto em uma palestra hoje, no Conselho de Trânsito e Transporte da Prefeitura, presidido pelo secretário dos Transportes, Jilmar Tatto. Em um texto que escreveu para apresentar suas ideias, obtido pelo Estado, Lerner defende a criação de mais dois corredores radiais (ou seja, rumo à região central da cidade), além dos circulares. "Um de Santana a Grajaú, pela Avenida 23 de Maio, outro entre a Av. Paulista e Congonhas."

"Isso duplicará a extensão de vias exclusivas para o transporte público, o que aumentará a velocidade média dos ônibus, otimizando em muito a frota e a força de trabalho, o que se traduzirá em maior oferta de ônibus", argumenta o urbanista. "E a criação de linhas diretas entre estações de integração acrescentará novos e expressivos ganhos de tempo para parcela significativa dos passageiros."

O especialista, que já foi prefeito da capital paranaense e governador daquele Estado, sustenta que sua proposta para São Paulo traria conforto e agilidade aos passageiros, atraindo pessoas que atualmente usam carro. Da Paulista até Congonhas, a viagem de ônibus seria feita em 15 minutos, "quando um carro pode levar quase uma hora".

Lerner também defende que seja feito pré-embarque nos corredores, para evitar filas e desperdício de tempo nas paradas. O urbanista crê que "São Paulo pode ser a maior cidade do mundo a ter uma rede completa de transporte de superfície de alta qualidade".

Com a rede que proporá hoje, Lerner diz que a malha de corredores de ônibus dobraria em relação aos atuais 119 km. A gestão Fernando Haddad (PT) promete entregar 150 km novos de corredores até o fim de 2016. Um deles tem o traçado que coincide com a proposta de Lerner, passando pelo eixo da Avenida 23 de Maio, ligando as zonas norte e sul da capital.

Faixas. O arquiteto também elogiou as faixas exclusivas implantadas por Haddad (foram 291 km apenas neste ano), mas disse que agora a cidade precisa dar "um salto qualitativo", com a construção de corredores, "ou os ganhos obtidos serão rapidamente perdidos". Isso, segundo ele, "sem prejuízo da expansão da rede de trilhos, naturalmente cara e demorada".

Sobre a qualidade do serviço, ele diz que a conexão entre os diferentes corredores de ônibus tem de ser "rápida e segura, por meio de estações de integração". Também prega que nos cruzamentos em desnível sejam empregadas escadas rolantes, elevadores e rampas, "sem perda de tempo para os passageiros".

"Tudo pensado para conferir segurança, confiabilidade e rapidez ao sistema, como estratégia de resgate da mobilidade", escreveu.

A rede de ônibus de Curitiba, que inspirou cidades como Los Angeles (EUA) e Bogotá (Colômbia) foi aberta em setembro de 1974, quando Lerner estava em seu primeiro mandato de prefeito. Hoje, ela conta com 21 estações de transferência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.