Lentidão em São Paulo fica abaixo da média

Regiões mais atingidas pelo congestionamento são a zona leste e centro

Da Redação, estadao.com.br

17 Dezembro 2008 | 08h06

A cidade de São Paulo apresentava 34 quilômetros de congestionamento na manhã desta quarta, 17. O índice corresponde a 4,4% dos 835 km monitorados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), inferior à média para o horário, de 11%. Na avaliação da CET, a tendência é que a situação na cidade piore na próxima hora.  Veja também:Como o trânsito parou SP e números da frota Dossiê Estado: os números do trânsito em SP  Acompanhe a situação do trânsito rua-a-rua    Os traços em vermelho representam trechos congestionados nesta manhã. Fonte: CET.  As regiões mais atingidas pelo congestionamento eram a zona leste, com 15 km, e o centro, com 11 km. Acidente Um caminhão com um contêiner tombou sobre um carro no Viaduto Grande São Paulo, no Ipiranga, zona sul da capital. Segundo o Corpo de Bombeiros, ninguém se feriu. Com o acidente, foram interditadas duas das quatro faixas do viaduto no sentido Vila Prudente e fechada a alça de acesso da Rua das Juntas Provisórias para o viaduto. Às 8h27, o bloqueio colaborava para o congestionamento de 1,4 km formado nas Juntas Provisórias do Viaduto Grande São Paulo até a Rua do Grito. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) organizou um desvio pelo Viaduto Gazeta do Ipiranga, Avenida do Estado, Viaduto Capitão Pacheco e Chaves e Viaduto Indianópolis.  Piores pontos de lentidão - Marginal do Tietê, sentido da Rodovia Castelo Branco, entre as Pontes da Aricanduva até e Jânio Quadros, com 4.200 metros; - Corredor Norte-Sul, sentido do Aeroporto de Congonhas, entre as Praças Campo de Bagatelle e da Bandeira, com 3.900 metros; - Marginal Tietê, sentido Castelo Branco, pista local, do Hospital Vila Maria até a Ponte Jânio Quadros, com 3.000 metros.  Situação dos principais corredores  Zona Sul- Avenida dos Bandeirantes: havia lentidão por 950 metros no sentido da Marginal do Pinheiros, a partir da Rua Funchal. - Avenida Washington Luís: com morosidade por 520 metros no sentido bairro, da Rua Pirandello até a Avenida Água Espraiada.  Zona Oeste- Marginal do Pinheiros: congestionada por 1,2 km no sentido da Rodovia Castelo Branco, da Rua Tucumã até a Ponte Engenheiro Ary Torres. - Ligação Leste-Oeste: com lentidão por 1,6 km no sentido Lapa, entre as Avenidas 23 de Maio e Alcântara Machado. - Avenida Rebouças: a fila de engarrafamento alcançava 800 metros no sentido Centro, da Avenida Brasil até a Rua Capitão Antônio Rosa.  Zona Norte- Corredor Norte-Sul: havia morosidade por 1,6 km no sentido do Aeroporto de Congonhas, do Viaduto Pedroso até a Praça da Bandeira.  Zona Leste- Radial Leste: a fila de engarrafamento alcançava 1,7 km no sentido Centro, a partir da Rua Wandenkolk. - Avenida Aricanduva: com lentidão por 920 metros no sentido da Marginal do Tietê, da Radial Leste até a Rua Júlio Colaço.  Centro - Avenida do Estado: congestionada por 1 km no sentido Ipiranga, entre o Viaduto Mercúrio e a Rua da Cantareira.  Paralização em Guarulhos Motoristas de ônibus da Empresa Municipal de Guarulhos paralisaram suas atividades à meia-noite desta quarta-feira, 17, em protesto ao não cumprimento do que foi acertado na convenção realizada pela diretoria do sindicato eleita. Os novos diretores estão impedidos de assumir por conta dos antigos, que não deixam o prédio, alegando irregularidades na eleição.  Segundo os manifestantes, 30% da frota da Empresa Municipal de Guarulhos estará nas ruas nesta quarta-feira. Os motoristas pedem o fim da obrigatoriedade de terem de dirigir os coletivos e também cobrar as tarifas; além disso, querem a saída de antigos líderes do sindicato, que, segundo os motoristas, estariam recebendo em mãos o valor da contribuição sindical que deveria ser depositada na conta do sindicato. "Tem muito motorista aqui que dirige e cobra tarifa e recebe salário de um cobrador. Se a gente não pode dirigir e falar ao mesmo tempo, então não podemos também dirigir e cobrar a passagem. A diretoria da empresa não quer sentar para conversar com a diretoria do sindicato que foi eleita, deixando de lado o que foi acertado na convenção", disse Alexandre Almeida, um dos integrantes da comissão representativa dos motoristas. Às 5h30 ainda ocorria uma assembléia em frente à garagem da empresa, na Rua Ulysses Guimarães, no bairro do Taboão, nas proximidades do Aeroporto Internacional de Cumbica, com a participação de pelo menos 200 funcionários. Os trabalhadores fecharam a entrada da garagem para impedir a saída dos ônibus, cerca de 300. A Polícia Militar acompanha o movimento, que segue sem incidente até o momento. A Empresa Municipal Guarulhos seria responsável por 40% de todo o serviço prestado na cidade, tanto por linhas municipais quanto intermunicipais. Os grevistas ameaçam parar o todo sistema da cidade, que contra com outras empresas, caso as reivindicações dos funcionários desta garagem não sejam atendidas. Por volta das 6h da manhã desta quarta, os manifestantes tentaram apedrejar alguns dos 15 coletivos que conseguiram deixar a garagem. Policiais militares tiveram de jogar uma bomba de efeito moral e usar gás pimenta contra os manifestantes para dispersar os grevistas. Ninguém ficou ferido.

Mais conteúdo sobre:
trânsitoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.