Lembra da lousa do colégio? Virou peça decorativa

Feita de fórmica, tinta especial ou adesivo, ela ganhou função de agenda, mural de recados e até espaço de desenho para crianças

Valéria França, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2011 | 00h00

A atriz Denise Del Vecchio, de 57 anos, queria um espaço prático onde pudesse deixar receitas e dicas para a empregada. A gerente de informática Alessandra Onish, de 37, tinha outro problema: a filha, Beatriz, de 5, tem costume de escrever pelas paredes do apartamento.

De estilos diferentes, as duas resolveram suas questões instalando lousas em casa - sim, o velho quadro negro do colégio foi incorporado por arquitetos e designers de interiores como objeto decorativo. E adaptado. Em vez de serem feitas só de folhas finas de ardósia preta, as novas lousas são mais descoladas e aparecem em materiais alternativos, como fórmica, vidro, tinta e até adesivo.

"Denise costuma sair de casa antes de a empregada chegar. Por isso, precisava de um painel que facilitasse a comunicação", conta o arquiteto Antonio Ferreira Junior, que projetou o apartamento da atriz. Ele montou uma estrutura de madeira, parecida à de um quadro, com 80 cm de largura e 1,20 m de comprimento. E recobriu a estrutura com fórmica fosca, na cor verde lousa. "Ela escreve com giz, mas também pode usar caneta hidrográfica branca." A lousa de Denise saiu por volta de R$ 500.

A arquiteta Amanda Gonçalves também optou pela fórmica para resolver o problema de Alessandra. Bolou um painel integrado ao revisteiro e ao armário, como se formassem uma peça única na parede. Como o projeto foi montado em um espaço multiuso, mistura de quarto de brinquedo e escritório, optou pela fórmica branca. "Agora minha filha desenha apenas sobre a lousa", diz, aliviada.

A tendência chegou até mesmo às fábricas de móveis planejados. A Todeschini lançou a coleção Organix, que, entre outras novidades, permite que portas de armário virem lousas.

"Uma forma simples de colocar lousa em casa é pintar uma parede com tintas especiais, que dão acabamento apropriado para se escrever em cima", ensina Amanda. A Coral tem a Coralit Tradicional Fosca. Um galão de 3,6 litros sai por volta de R$ 50. Demora cerca de 18 horas para secar. Outra opção é a Suvinil Esmalte Fosco, de mesma função, mas com maior variedade de tons, além de verde, grafite e grafite escuro.

Mais fácil. Quem quer ter menos trabalho pode recorrer aos adesivos. Há alguns modelos feitos de vinil, recortados em vários formatos lúdicos, como lâmpada e televisão, que podem ser colados na parede ou mesmo nos móveis. Nas cores verde escuro, preto e até vermelho, o adesivo funciona como lousa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.