Leitura predileta nos vagões

O best-seller Fortaleza Digital - de Dan Brown, o mesmo autor de O Código da Vinci - é o preferido entre os 39 mil usuários das bibliotecas Embarque na Leitura, que funcionam em estações de trem e Metrô de São Paulo. Desde que o projeto começou, em 2004, o livro foi emprestado 646 vezes. Em segundo lugar aparece Anjos e Demônios[ ], também de Dan Brown (com 347 retiradas), seguido de perto por Marley & Eu, de John Grogan (345 vezes).

, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

Atualmente, há 23 mil títulos disponíveis no catálogo do Embarque na Leitura. A mais antiga biblioteca do projeto é a que fica na Estação Paraíso do Metrô. Existem unidades ainda nas Estações Tatuapé, Luz, Largo Treze e Santa Cecília. Esta última se destaca pelas coleções de livros infantis e em braile - além de ter um balcão adaptado para facilitar o acesso de deficientes físicos. No ano passado, foi a vez de a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) ganhar sua biblioteca - na Estação Brás.

De acordo com dados do Instituto Brasil Leitor, criador e mantenedor do projeto, o Embarque na Leitura já realizou mais de 450 mil empréstimos de livros.

Interrogações

Quem foram os primeiros a ter carro em São Paulo?

O pioneirismo é atribuído aos engenheiros Luís Dumont (1969-1930), irmão do inventor e aviador Alberto Santos Dumont, e Antônio Prado Júnior (1880-1955). "Era um estranho veículo, que andava sem cavalos, provocando um ronco tremendo, entremeado de explosões", descreve o memorialista Jacob Penteado (1900-1973) - em seu livro

Belènzinho, 1910 -, sobre a façanha, ocorrida na virada do século 20.

E o bonde elétrico paulistano, quando surgiu?

Em 1900. Antes, os veículos eram movidos a tração animal ou a vapor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.