Leitora questiona a perícia

TERCEIRO LUGAR EM CONCURSO PÚBLICO

O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2012 | 03h03

Sou médica desde 1984, especializada em medicina preventiva e social, sanitarista concursada da Secretaria de Estado da Saúde, desde 1987. Hoje, lotada no Centro de Vigilância Epidemiológica, com mestrado e doutorado. Em maio de 2010 passei em 3.º lugar para um 2.º vínculo no Centro de Vigilância Epidemiológica. Mas o departamento de perícias médicas do Estado me declarou inapta a assumir o cargo, que já exerço em um vínculo, por sofrer esclerose múltipla (EM). Já o Conselho Regional de Medicina, em perícia realizada a meu pedido com três neurologistas, me declarou apta a todas as funções. Por causa da doença, estou com sequela motora, paralisia em membro inferior esquerdo, mas não tenho nenhum problema cognitivo e minha atividade é totalmente sedentária. Fui à Justiça e perdi em 1.ª instância. Denunciei ao MP, e até agora nada. Continuo a dar plantões e me sobrecarregando. Também trabalho desde 2002 no ambulatório de doenças desmielinizantes no Departamento de Neurologia do HC, envolvida em 3 projetos de pesquisa. Em 2011 comecei pós-doutorado e o salário de médica sanitarista que já é baixo (R$ 2.400) foi cortado pela metade. Hoje dou um plantão extra de mais 12 horas para equilibrar o orçamento. Faço tudo isso e não sou apta?

LENIRA MORAES / SÃO PAULO

A Ouvidoria do Ministério Público de São Paulo informa que não

há registro de denúncia da sra. Lenira nesta Ouvidoria. Como ela

menciona que há um processo judicial em andamento, deve-se

aguardar a decisão.

A leitora explica: Fiz uma denúncia informal no MP. Agora entrei com uma Ação Ordinária, que ainda está em andamento.

PEDROSO DE MORAIS

Obra malfeita no canteiro

Fiquei estarrecida com a construção de algo que parece ser uma ciclovia no canteiro central da Avenida Pedroso de Morais. Além de malfeita e grosseira, a obra tirou uma faixa importante de área verde. Os moradores da região do Alto de Pinheiros foram consultados? O canteiro central da Pedroso de Morais era o orgulho do bairro e um pulmão verde da cidade. É um absurdo esse tipo de atitude, principalmente numa cidade como a nossa. Por que nos privar do nosso lindo gramado?ANNA BEATRIZ LIMA GONÇALVES / SÃO PAULO

A Subprefeitura Pinheiros informa que está executando obra de instalação de passeio público e acessibilidade no canteiro central da Av. Pedroso de Morais, onde já ocorre a prática de caminhada. Por causa da grande circulação de pedestres, o trajeto que se encontrava em terra batida está recebendo piso de concreto para garantir o conforto dos transeuntes. Ressalta que a obra não se trata de uma ciclovia e que as árvores serão totalmente preservadas.

A leitora comenta: Ao cimentar a terra batida o solo se impermeabiliza. Será que é isso que precisamos? E as enchentes? Além disso, há 18 anos morava no canteiro central da Pedroso de Morais um senhor chamado Raimundo Arruda Sobrinho, que era um ícone do bairro. Em uma incrível coincidência, ele foi retirado de lá mais ou menos quatro meses antes de a obra começar.

OSASCO

Risco de queda de muro

Está sendo construído um galpão na Rua Henrique Dias, no Jardim Piratininga, em Osasco, ao lado da casa da avó da minha mulher. A construção está indo contra a NBR da Construção Civil em diversos aspectos. Ergueram um muro com mais de 8 metros de altura em cima de outro já existente, que agora está trincado e corre o risco de ceder a qualquer momento. Além disso, não respeitaram o recuo exigido pela legislação e não há placa de identificação informando o número do alvará e os responsáveis técnicos. Estamos com medo do muro ceder e provocar uma tragédia no local. É um absurdo a falta de responsabilidade. Abri um chamado no 156, mas, dado o risco da situação, não posso esperar os 30 dias de prazo!

ALEXANDRE TADEU PEREIRA

/ OSASCO

A Prefeitura de Osasco, por meio do Departamento de Uso de Solo, informa que, em 8/8, foi aplicada multa ao proprietário do galpão citado. Em 14/8, fiscais da administração estiveram no local e já encontraram a obra parada e fechada. O proprietário do galpão foi novamente notificado a fim de corrigir as irregularidades da obra.

O leitor responde: Nossa preocupação é saber se realmente irão respeitar o recuo do muro e construí-lo de forma segura, a fim de não comprometer a integridade física dos moradores da casa ao lado. Será que irão realmente derrubar esse muro e construir um novo?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.