Leitor sugere outros locais

POLÊMICA NA INSTALAÇÃO DE BICICLETÁRIO

O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2012 | 02h00

Moro num condomínio que fica na Rua Morais de Barros, na

travessa da Av. Vereador José Diniz. No dia 11/12 funcionários de uma empresa contratada pela Prefeitura, sem nenhum aviso prévio, isolaram cerca de 20 metros da calçada, com a finalidade de implantar um bicicletário público. A medida é ótima para desestimular o uso de automóveis, mas o local escolhido pelos técnicos, além de ser em frente à portaria, fica numa esquina perigosa, pois, quem vem da Av. Vereador José Diniz e entra à direita na Rua Morais de Barros não terá nenhuma visão do bicicletário até virar a esquina, podendo causar acidentes aos usuários. Na Rua Morais de Barros há um espaço muito maior e mais adequado para isso. Espero que as autoridades competentes reavaliem a decisão, que poderá causar sérios riscos à vida do usuário.

DOUGLAS MARIN DEL NERO / SÃO PAULO

A CET informa que a Rua Morais de Barros, no local citado, possui largura de 9 metros, mão única de direção no trecho e sentido entre a Av. Vereador José Diniz e a Rua Princesa Isabel, alto volume de tráfego com permissão de estacionamento apenas do lado direito (par). A instalação do bicicletário no local ocupa 3 vagas de estacionamento, sem interferir no acesso à garagem dos imóveis nem ocupar a calçada. Já a instalação no local sugerido pelo leitor colocaria em risco tanto os usuários das bicicletas como os motoristas e pedestres.

O leitor afirma: Discordo da CET. Se a Rua Morais de Barros tem um alto volume de tráfego, por que não instalar em outro local? Na mesma rua, no quarteirão seguinte, entre as rua Barão do Triunfo e Princesa Isabel, há um grande muro de um condomínio, onde o trafego é praticamente zero. E na Rua Morais de Barros do outro lado, onde era um ponto de táxi.

MÁ-FÉ DA SKY

Cobrança em duplicidade

A SKY entrou em contato no início do ano propondo a meu marido o cancelamento de sua conta e a substituição por um plano mais vantajoso a ser feito em meu nome. A proposta foi aceita por nós, mas a SKY continuou cobrando o plano que estava no nome de meu marido e no meu, duplamente, sem substituir um pelo outro. Desde maio meu marido pede o cancelamento de seu plano e 5 protocolos já foram abertos. Em uma das vezes, a SKY garantiu que o cancelamento havia ocorrido e pediu desculpas pela cobrança indevida. Mas, pouco tempo depois, voltou a cobrar. Em 27/11 chegou uma carta da SKY com uma notificação extrajudicial, ameaçando pôr o nome de meu marido no SPC. Imediatamente, ele abriu um protocolo relatando o absurdo da situação que se vem arrastando há meses. O atendente da SKY afirmou que os 4 protocolos anteriores, anotados por nós, não existem. Mas em junho chegamos a gravar uma das ligações, comprovando que o protocolo existiu, sim. Gravamos ainda a última ligação, referente ao quinto protocolo, em que a SKY promete que o plano será cancelado, assim como a cobrança, e o nome dele retirado da notificação extrajudicial. Aguardo a resposta da empresa para ter certeza de que a SKY cumprirá a promessa.

AMÁLIA SAFATLE / ITAPEVI

A SKY esclarece que um funcionário entrou em contato com o marido da leitora no dia 12/12 e informou que a assinatura foi cancelada. O equipamento será retirado em 30 dias e a fatura com vencimento para o dia 6/11 deve ser desconsiderada.

A leitora relata: O problema não foi totalmente resolvido, pois a SKY fala em retirar o aparelho por causa do cancelamento. Ocorre que o aparelho já tinha sido retirado pela empresa no início do ano, quando foi feita a substituição de um plano por outro. De fato, um funcionário entrou em contato e esperamos que desta vez a SKY cumpra a sua promessa de não nos cobrar mais indevidamente.

CLARO FIXO

Aparelho não foi entregue

Estou sendo, mais uma vez, vilipendiado por uma empresa de telecomunicação (Embratel/Claro Fixo). Em 21/11 fiz o depósito de R$ 49 para receber um aparelho, conforme prometido. Pois bem, estamos em meados de dezembro, o prazo de entrega já expirou e ainda não o recebi. Liguei no 10321 para reclamar e a atendente disse que o problema do atraso é da empresa que faz as entregas! E quem paga meu prejuízo de ficar sem uma linha fixa?

RICARDO FERREIRA CARDOSO

/ BAURU

A Claro Fixo informa que o

aparelho será entregue em

data acordada com o cliente.

O leitor reclama: Eles prometeram entregar o aparelho no dia 18/12 e, adivinhem? Não recebi aparelho algum. É um desrespeito sem medida desta empresa!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.