Nilali Goettems/AE-16/5/2010
Nilali Goettems/AE-16/5/2010

''Lei seca'' durante a Virada vira polêmica

Bebidas alcoólicas estão vetadas nas 155 barracas e até bares podem ser multados

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2011 | 00h00

As 155 barracas de alimentação e alguns bares da Virada Cultural 2011 não vão vender bebida alcoólica enquanto durar o evento, que acontece neste fim de semana, entre as 18h de sábado e as 18h de domingo. O assunto correu a internet e causou polêmica na tarde de ontem.

A administração municipal vai colocar na rua mais de mil guardas-civis metropolitanos e 2 mil policiais militares. Além de fazerem a segurança da Virada, eles vão atuar na fiscalização. Para os bares, a infração pode render multa; para os vendedores ambulantes, as mercadorias devem ser apreendidas.

Na Virada do ano passado, a técnica foi outra. A Prefeitura apoiou a venda de latinhas de cerveja em quiosques e carrinhos oficiais para desestimular o consumo de vinhos baratos e adulterados, vendidos por ambulantes. Não adiantou: a bebida ilegal foi vista em pelo menos 26 pontos diferentes de venda, espalhados por todo o centro.

Segundo a Secretaria de Coordenação de Subprefeituras de São Paulo, uma lei já proíbe a venda de bebida alcoólica em qualquer barraca de rua que comercialize alimentos na cidade, não apenas na Virada Cultural. Já os bares e restaurantes que têm alvará de funcionamento para além da 1 hora poderão, segundo a pasta, vender bebida normalmente. Para os que não têm esta licença - a secretaria não informou quantos são -, a ordem é que sejam autuados e fechados prontamente. "Não há restrição para os bares venderem seus produtos, com exceção da madrugada", afirmou o secretário das Subprefeituras, Ronaldo Camargo, na segunda-feira.

Nas ruas. Mas o alvo da Prefeitura é mesmo o comércio informal - 144 ambulantes foram cadastrados para trabalhar em todo o evento. Nem eles poderão vender bebida alcoólica. A preocupação maior é a venda de "misturas", como vinhos adulterados ou vodca.

No ano passado, a Virada ficou marcada por sujeira nas ruas, além de tumultos e violência. Um rapaz foi morto e pelo menos quatro pessoas ficaram feridas, vítimas de agressões. O consumo de drogas foi outro problema registrado.

Feira

Os melhores pastéis de feira de São Paulo vão estar na Virada, como o Agena, Pastel da Maria, Barraca da Soninha, Tadashi e Miyuta.

NO TWITTER

@momunuera

"Boa a lei seca na Virada Cultural. Tem idiota que não sabe viver em sociedade e acaba arrumando briga. Mas educação seria mais efetivo."

@luizbill

"Lei seca na Virada Cultural. O jeito vai ser levar vodca na mochila e comprar só o refrigerante lá."

@ValtinhoMF

"Lá vou eu ser o único a concordar com o Kassab sobre a lei seca na Virada Cultural, né?"

@faganhoto

"Com essa palhaçada de lei seca na Virada Cultural, mais um motivo para não ficar lá depois da meia-noite."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.