Leão morre com câncer após perder companheira

Leão morre com câncer após perder companheira

Animal vivia no zoológico de Araçatuba, no interior de São Paulo; nos últimos dois anos, sete bichos morreram no local

Chico Siqueira, Especial para o Estado

27 Abril 2014 | 19h45

ARAÇATUBA - Mais um animal morreu, neste sábado, 26, no Zoológico Flávio Ribeiro Leite, em Araçatuba, no interior de São Paulo. O leão Bira, que já tinha perdido a companheira, a leoa Larissa, em 2 março, morreu com câncer pulmonar, segundo laudo preliminar divulgado pela Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que fez a necropsia do animal. Com a morte do felino, sobe para sete o número de animais mortos no zoológico nos dois últimos anos.

Segundo a Prefeitura de Araçatuba, que administra o zoo, Bira tinha 15 anos (leão vive até aos 26) e começou a passar mal na quinta-feira, 24, morrendo no sábado. No entanto, frequentadores do local disseram que o leão aparentava estar doente havia mais de dez dias. No dia 14 de abril, internautas que visitaram o zoo postaram fotos do animal e textos dizendo que ele ficava apenas sentado, não queria se levantar e urrava muito, como se estivesse triste, "pedindo socorro".

Reinaugurado no dia 12 de abril, sem autorização de funcionamento do Estado, o zoo perdeu sete animais, desde que passou por uma reforma, iniciada em março de 2012, que durou dois anos e custou somente ao governo federal R$ 1,2 milhão. Além do casal de leões, uma onça pintada, três emas e um quati morreram no local. A Prefeitura e a Unesp prometeram divulgar nesta segunda-feira, 28, mais informações sobre a morte do animal. O Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema) anunciou que vai cobrar dos responsáveis pelo zoo uma explicação pelas mortes ocorridas.

Mais conteúdo sobre:
Leão Zoológico Araçatuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.