Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Laudo fragiliza acusação e juiz liberta ativistas

Dupla não portava explosivos quando foi detida em ato contra a Copa; Ministério Público Estadual queria manter prisões

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2014 | 02h01

SÃO PAULO - A Justiça de São Paulo revogou nesta quinta-feira, 7, a prisão preventiva dos ativistas Fábio Hideki Harano, de 26 anos, e Rafael Marques Lusvarghi, de 29, que estavam presos desde uma manifestação contra a Copa, em 23 de junho. O juiz Marcelo Matias Pereira, da 10.ª Vara Criminal do Fórum da Barra Funda, entendeu que a falta de comprovação de que ambos portavam explosivos "fragilizou" a necessidade de manter a dupla encarcerada.

Harano estava no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Tremembé, a 140 quilômetros da capital. Lusvarghi estava na carceragem do 8.º Distrito Policial da capital, no Brás, região central, e saiu de lá por volta das 19h30, sem falar com a imprensa.

A revogação da prisão aconteceu depois que os defensores de ambos pediram reconsideração de uma decisão liminar que havia negado habeas corpus aos acusados. O pedido teve por base o laudo pericial feito pelo Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar e pela Polícia Científica, divulgado pela Folha de S. Paulo.

O juiz escreveu na decisão que "é forçoso concluir que a acusação restou de sobremaneira fragilizada, na medida em que ficou demonstrado que os acusados não portavam qualquer artefato explosivo ou incendiário". Considerou ainda que, se fossem condenados, a sentença seria de até quatro anos, o que não justificaria que a dupla permanecesse presa.

Em seu argumento para pedir a liberdade da dupla, durante pedido para que o laudo fosse juntado aos autos do processo criminal, o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh lembrou que, em todas as decisões do processo até ali, "o fato determinante para justificar a prisão é a circunstância dele (Harano) ter em sua posse tal objeto (o explosivo)". Greenhalgh lembrou que o acusado é estudante, servidor público, diretor sindical com endereço fixo e não tem antecedentes criminais - requisitos para a revogação da prisão.

A defesa de Lusvarghi é feita pela Defensoria Pública do Estado. O órgão tem acompanhado manifestações populares e apontado supostas irregularidades praticadas por policiais.

Contrariado. Ao decidir pela soltura, o juiz Pereira contrariou parecer feito pelo Ministério Público Estadual, que recomendava que a dupla continuasse presa - mesmo com o laudo que mostrava que não levavam explosivos.

Para mantê-los presos, os promotores Tatiana Calle Heilman, Renata Cristina de Oliveira e José Roberto Fumach Júnior, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), alegaram que há outros depoimentos anexados ao processo, que dizem que os objetos - frascos de achocolatado - tinham "forte odor de gasolina, circunstância não abordada no laudo pericial".

Sem contestar diretamente o laudo, os três promotores pediram informações extras aos peritos: queriam saber se a demora para fazer o laudo e se as condições de armazenamento dos frascos poderiam comprometer o resultado da perícia.

Por fim, afirmaram que "há fortes indícios de que os réus Fábio e Rafael exerciam liderança em associação criminosa voltada para a prática de crimes de dano ao patrimônio público e privado e contra a integridade física e a vida de policiais" antes de pedir indeferimento do pedido de Greenhalgh.

O juiz autorizou que os peritos respondessem aos promotores, mas também optou por libertar os acusados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.