Laudo deve esclarecer morte de adolescente em São Vicente

A jovem foi encontrada morta em seu apartamento, com manchas no pescoço e sinais de esganadura

Zuleide de Barros, de O Estado de S. Paulo,

30 Janeiro 2009 | 20h42

Mais quatro pessoas foram ouvidas ontem pelo delegado Jorge Álvaro Cruz, do 2º Distrito Policial de São Vicente, onde a morte da adolescente Léia Cristina da Quinta Schenkel, de 16 anos, está sendo apurada. A jovem foi encontrada morta na noite de domingo, 25, em seu apartamento, com manchas no pescoço e sinais de esganadura. A hipótese de suicídio e de latrocínio (roubo seguido de morte) foi descartada, já que nada foi levado do imóvel e não foram encontrados sinais de arrombamento.   Veja também: Oito pessoas já foram ouvidas sobre morte de jovem no litoral Adolescente é achada morta em apartamento de São Vicente    De acordo com o delegado Cruz, os depoimentos das quatro pessoas ouvidas na quinta-feira, 29, além do laudo do Instituto Médico Legal, com entrega prevista para segunda-feira, são considerados decisivos para o esclarecimento do caso. É que o laudo deverá apontar a causa da morte e o horário provável da ocorrência. Amigos muito próximos da jovem, o atual e o ex-namorado, colegas de trabalho, vizinhos e familiares já prestaram depoimento. O computador da jovem também foi apreendido, logo após o crime, na segunda-feira. Dezenas de fotos e algumas mensagens foram encontradas no arquivo. "O Orkut dela foi desativado no começo do ano, depois que ela reatou o namoro", revelou o delegado.   Léia Cristina morava com a irmã mais velha, que foi quem encontrou o corpo. A irmã saiu de casa cedo para trabalhar, deixando a jovem dormindo. Ela estranhou o fato de a adolescente ainda estar dormindo à noite, quando chegou e, ao tentar acordá-la percebeu que a rigidez do corpo e as manchas no pescoço, pedindo socorro aos vizinhos, que chamaram a polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.