Laudo conclui que ônibus de acidente que matou 18 estava acima da velocidade

Perícia detectou deficiência nos freios, causada por 'desgaste excessivo'; veículo colidiu com barranco na Mogi-Bertioga

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

24 Junho 2016 | 18h56

SÃO PAULO - O laudo da perícia sobre o acidente com um ônibus que matou 18 pessoas na rodovia Mogi-Bertioga, no dia 8 de junho, concluiu que o "veículo estava acima da velocidade permitida e que os freios apresentavam deficiência causada por desgaste excessivo". A informação foi dada pelo secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Mágino Alves, em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, 24. 

Segundo a perícia, a manutenção dos freios era inadequada. De acordo com Mágino Alves, os responsáveis pela manutenção do ônibus podem ser punidos.

O ônibus que levava universitários de Mogi das Cruzes para São Sebastião, após o término das aulas, tombou na noite do dia 8, em um trecho sinuoso de uma serrinha, no km 84 da rodovia Mogi-Bertioga. O motorista teria perdido o controle ao fazer uma curva. O ônibus tombado atravessou a pista colidiu com um barranco rochoso.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO São Sebastião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.