''Lanzmann teve postura nazista''

Curador disse que sua frase foi mal interpretada

Raquel Cozer, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2011 | 00h00

O curador da 9.ª Festa Literária Internacional de Paraty, Manuel da Costa Pinto, comparou o posicionamento do cineasta Claude Lanzmann, durante sua mesa na noite de sexta-feira em Paraty, com a atitude de um nazista. Na conversa, mediada pelo estudioso Márcio Seligmann-Silva, Lanzmann se recusou a responder questões que não fossem diretamente relacionadas a seu livro de memórias A Lebre da Patagônia (Companhia das Letras) e acusou Seligmann-Silva de não tê-lo lido. "Se você continuar me tratando como um débil mental, eu me levanto e vou embora", ameaçou. Costa Pinto fez o comentário ontem, durante entrevista coletiva de avaliação da Flip, encerrada no domingo.

Judeu, Lanzmann foi o diretor de Shoah (1985), documentário com entrevistas sobre o Holocausto, e integrou a Resistência na 2ª Guerra Mundial. Participou da Flip para falar de histórias como essas, presentes no livro.

Costa Pinto disse considerar "decepcionante que um autor do porte dele, um dos grandes intelectuais do século 20, que conviveu como figuras como Sartre, rejeite perguntas de natureza intelectual". E completou: "Essa postura contra um debate intelectual foi uma coisa nazista. É grave isso. Ele rejeitou o debate em nome da espetacularização."

Para Luiz Schwarcz, editor da Companhia das Letras, houve dois equívocos. "Manuel é um excelente crítico, mas está aqui na função de curador - ele confundiu os papéis. O outro está na escolha dos termos. Foi muito inapropriado, considerando-se o histórico de Lanzmann."

Mais tarde, Manuel da Costa Pinto esclareceu: "Quis ressaltar o fato de ser um cara que combateu o nazismo, um regime anti-intelectual por excelência, mas que ali teve aquela atitude anti-intelectual de recusa ao debate. Não disse que ele é nazista. Ele era um dos convidados sobre quem coloquei mais expectativas." Costa Pinto admitiu que talvez tenha confundido os papéis de curador e de jornalista.

Lanzmann deixou Paraty enquanto acontecia a entrevista coletiva, no início da tarde de ontem. Schwarcz demonstrou preocupação com a possibilidade de a notícia chegar até o autor. A organização da Flip, em nota, lamentou o uso da "palavra inadequada", considerando-a "uma posição pessoal".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.