LANCHONETE POPULAR ABRE, MAS POUCOS NOTAM

Para clientes, há pouca divulgação; produto de preço controlado divide espaço com 'normal'

EDISON VEIGA, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2013 | 02h02

Sem alarde. Assim foi o primeiro dia da lanchonete popular inaugurada nessa segunda-feira, 10, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Por volta das 17h30, apenas 3 das 16 mesas estavam ocupadas. E, exceto por uma - onde lanchava um funcionário da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) -, em nenhuma delas os clientes sabiam que estavam em um local com preços diferenciados.

Talvez a culpa não seja só da divulgação, mas também da localização. A lanchonete, sob o nome fantasia BC Express-Food & Beverage, fica no piso de acesso ao edifício-garagem do aeroporto - e não no saguão principal, onde estão os outros pontos de venda. No cardápio, os produtos com preço controlado estão misturados a outros de valor "normal" para um aeroporto.

"Estava com tanta fome que nem prestei atenção aos preços... É mesmo que aqui é lanchonete popular?", indagou o professor Antonio Carlos de Souza, de 64 anos, que acabava de ser informado pela reportagem sobre o diferencial do local onde ele estava comendo. "Mas veja aqui a minha notinha: eu paguei R$ 8,25 por um pedaço de torta..." Pois é: a tortinha não estava entre os 15 produtos da lista da Infraero. "Não sabia que era mais barato aqui", comentou o taxista Nelson Aparecido Matoso, de 32 anos. "Preferi essa lanchonete porque estava mais tranquila."

Outras unidades. A Infraero pretende instalar lanchonetes populares em todos os aeroportos das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 sob administração da empresa. Os aeroportos de Curitiba, Londrina, Recife, Porto Alegre e Natal já têm unidades com preços controlados. Estão em fase de instalação as unidades dos Aeroportos Galeão e Santos Dumont, no Rio, e o de Salvador.

No Aeroporto de Congonhas, a lanchonete ocupa uma área de 68 metros quadrados e funciona todos os dias, das 5h às 23h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.