Ladrões usam túnel e botes em assalto; 3 acabam mortos

Ônibus com fundo falso e roupas de mergulho também serviram para bando tentar roubar R$ 14,5 milhões de empresa de valores

TIAGO DANTAS, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2012 | 03h04

Uma tentativa de roubo ao cofre da transportadora de valores Protege, em Santo Amaro, zona sul da capital, foi frustrada pela polícia ontem de madrugada. Três assaltantes morreram, dois deles após tiroteio, e outro foi preso. Os demais suspeitos conseguiram fugir. De 10 a 15 pessoas formavam a quadrilha, segundo a polícia. Cerca de R$ 14,5 milhões foram recuperados.

Os criminosos vinham planejando o roubo havia muito tempo. Um ônibus sem os bancos e com fundo falso no assoalho foi utilizado para encobrir a entrada do túnel usado para invadir a Protege. Assaltantes utilizaram roupas de neoprene (próprias para mergulho) para andar pela rede de esgoto. Outra parte do túnel feito pela quadrilha, de acordo com a polícia, tinha escoras e iluminação.

Por volta da 1h30, seguranças da transportadora de valores notaram por meio das câmeras de segurança o movimento dos assaltantes dentro do prédio e avisaram a Polícia Militar. Uma viatura do Comando de Operações Especiais (COE) percebeu que um ônibus de turismo estacionado na Rua Luís Seraphico Junior poderia estar a serviço do bando. Quando os PMs se aproximaram, o veículo arrancou.

O motorista fugiu com tanta pressa que não percebeu que um dos seus comparsas ainda estava entrando no ônibus pelo fundo falso. O suspeito ficou preso na parte de baixo do veículo, foi arrastado e atropelado. Embora tenha sido socorrido, morreu a caminho do hospital.

Perseguição. Minutos depois, viaturas das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), também avisadas sobre o roubo, passaram a perseguir o coletivo pelas ruas de Santo Amaro. A menos de um quilômetro do local do roubo, o motoristas perdeu o controle e bateu o ônibus em um poste, derrubando o semáforo da esquina das Avenidas João Carlos da Silva Borges e Professor Alceu Maynard Araújo.

"Entre 10 e 15 assaltantes desceram do veículo atirando. Eles estavam com armamento pesado. Tinham fuzil, metralhadora e pistolas", afirmou um oficial da Rota que participou da ocorrência. Na troca de tiros, dois suspeitos foram baleados. Eles morreram após serem levados ao pronto-socorro.

Um homem continuou dentro do veículo, segundo os policiais, que passaram a negociar sua rendição. Durante a negociação, o suspeito atirou nos policiais, que não revidaram. PMs da Rota jogaram uma bomba de gás lacrimogêneo dentro do veículo, entraram no ônibus e prenderam o assaltante após quase duas horas. Dentro do coletivo, estava todo o dinheiro roubado, guardados em sacos plásticos, para não estragarem no esgoto.

Os policiais encontraram dois botes infláveis, que foram utilizados para transportar os sacos pela rede de esgoto, onde a água ficava na altura da barriga dos ladrões. A ação chamou a atenção da vizinhança. "Era muito tiro, muito mesmo. Nunca tinha visto uma coisa dessas", disse uma costureira de 71 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.