Ladrões libertam reféns na casa do vereador Wadih Mutran

Mulher do vereador e duas funcionárias foram soltas; polícia apura se pedestre feito refém também é ladrão

Solange Spigliatti, do estadao.com.br ,

22 de setembro de 2008 | 11h49

Os cinco ladrões que invadiram a casa do vereador Wadih Mutran, na manhã desta segunda-feira, 22, na zona norte da cidade, se entregaram e liberaram dois reféns, por volta das 11h30. A mulher do vereador, Iracema Mutran, e uma funcionária da casa foram os últimos reféns a serem libertados, já que antes, por volta das 10h30, uma segunda funcionária e um pedestre que havia sido feito refém já tinham sido soltos. Veja também:PM terá mais negociadores para ações com refém Os dois últimos reféns não sofreram ferimentos, segundo informações do filho do vereador, Ricardo Mutran. Ricardo afirmou que a mãe estava muito nervosa e estava sob cuidados médicos. O assalto começou por volta das 8h30 desta segunda, quando uma das funcionárias colocava o lixo na rua. Os cinco ladrões se entregaram após a presença de dois advogados, que foram chamados para ajudar nas negociações. O grupo exigia apenas a integridade física de cada um. Por volta das 10h30, uma outra empregada e um rapaz foram liberados pelos bandidos. De acordo com a polícia, o rapaz alega que foi capturado pelos ladrões quando passava pelo local, mas a hipótese dele fazer parte da quadrilha será apurada. Wadih Mutran não estava na casa na hora da invasão. Segundo o filho do vereador, Ricardo Mutran, os dois tinham saído juntos para ir a uma farmácia. Ricardo Mutran acompanhou as negociações na casa. De acordo com Ricardo, cada refém ficou trancado em um cômodo da casa. Esta não é a primeira vez que a família do político é alvo de roubo. O advogado Ricardo Mutran, de 43 anos, filho do vereador Wadih Mutran, foi seqüestrado em 19 julho de 2006, e libertado depois de 39 dias, em 27 de agosto 2006. Os seqüestradores exigiram R$ 3 milhões, mas o resgate não foi pago. Texto ampliado às 11h55 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
assalto com refénsWadih Mutran

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.