Ladrões levam 232 carros por dia em SP

Média corresponde a julho, mês que registrou maior nº de furtos e roubos neste ano: 7.190

Elvis Pereira, Fabiano Nunes e Gio Mendes, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2011 | 00h00

Julho foi o mês com mais roubos e furtos de carros neste ano na cidade de São Paulo. Criminosos levaram 7.190 veículos (ou 232 por dia), superando em 2,6% o mês de março, antes o pior mês de 2011. O número também representa uma alta de 6,9% em comparação à média mensal (6.723 casos). Especialistas atribuem o quadro à falta de investigação. A Polícia Civil culpa o crescimento da frota da capital.

A Vila Clementino, na zona sul, apresentou o pior cenário. No bairro, 213 veículos foram furtados ou roubados no mês, quase sete por dia. A região se enquadra no perfil cobiçado por ladrões: reúne faculdades, colégios, hospitais e shopping.

"Cheguei às 7h e deixei na rua. Por volta das 10h, o carro não estava mais lá", conta a técnica de laboratório Talita Martins, de 25 anos, cujo veículo sumiu na Rua Loefgren. Como o veículo era segurado, ela já está com outro. "Mas não venho mais trabalhar de carro", disse, enquanto andava para o metrô.

"Metade dos carros roubados ou furtados é abandonada. Mas a outra metade evapora e precisa de um trabalho de investigação, pois eles são adulterados ou levados para desmanche", diz o coronel da reserva da PM José Vicente da Silva, ex-secretário nacional de Segurança Pública. "As delegacias dispõem de poucos recursos para fazer investigação", diz consultor de segurança Carlos Alberto de Camargo, ex-comandante-geral da PM paulista. "E é um crime organizado, que tem de olheiro a receptador."

O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Marcos Carneiro Lima, disse que a situação deverá se reverter. "Houve um desvio (em julho), mas a tendência será de equilíbrio para, futuramente, decrescer."

Férias. Segundo o coronel Alvaro Batista Camilo, comandante-geral da PM, a corporação não identificou o motivo do recorde. "Essa é uma época em que os casos deveriam diminuir, pois é mês de férias escolares."

Mas, para Carneiro, o aumento no número de carros na cidade mudou o padrão de julho. "Hoje, já há trânsito até no mês de férias." Em comparação a janeiro, houve mais roubos e furtos em 65 das 93 delegacias paulistanas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.