Divulgação
Divulgação

Ladrões furtam 8 pugs de publicitário no interior de SP

Cachorros foram pegos do canil instalado no quintal da casa de Andrey, no bairro Mançor Daud, em São José dos Campos

Chico Siqueira ESPECIAL/ESTADÃO,

21 Maio 2013 | 19h05

RIO PRETO - As oito fêmeas da raça Pug, pertencentes ao publicitário Andrey Virgílio da Silva, foram levadas pelos ladrões, deixando seu dono inconsolável. "Não entendo como isso aconteceu, mas daria qualquer coisa para tê-las de volta", diz Andrey.


Os cachorros foram furtados do canil instalado no quintal da casa de Andrey, no bairro Mançor Daud, em São José do Rio Preto, interior do estado de São Paulo.


"Aqui, elas brincavam e eu as tinha como filhas, não pensava que um dia fosse ficar longe delas. Eu vendia apenas os filhotes delas", conta. "Saí de casa por volta do meio-dia, no último sábado, e quando voltei encontrei minha casa desarrumada e faltando objetos eletrônicos, computador e impressora."

Quando olhou no quintal, Andrey percebeu a falta de uma de suas oito fêmeas. "Fiquei triste e fui à polícia registrar o boletim de ocorrência".


Mas foi ao voltar da delegacia que Andrey teve uma surpresa maior ainda. "O portão de casa que eu tinha trancado estava aberto e quando entrei, vi que meus cães tinham sido roubados". 

Andrey afirma que ficou na delegacia por menos de uma hora, mas foi o tempo suficiente para os ladrões voltarem para levar o restante das fêmeas. "Só sobrou um macho", contou.


Das oito fêmeas, três delas estavam em gestação. Segundo Andrey, cada filhote seria vendido por R$ 3,5 mil. "Mas o que importa não é o dinheiro, eu daria o dobro para ter minhas filhinhas de volta", diz. 

O caso está sendo apurado pela polícia, que vai usar imagens de câmeras de segurança de casas vizinhas para investigar o caso. As imagens mostram o momento em que um carro preto importado, usados pelos ladrões, para na frente da casa. Segundo a polícia, este tipo de crime, que não é comum em Rio Preto, pode ter sido encomendado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.