Ladrões furtam 50 toneladas de milho de trem em movimento no interior de SP

Bandidos teriam colocado graxa nos trilhos, fazendo com que as rodas da composição, que levava 54 vagões, não se fixassem e patinassem

Chico Siqueira, especial para o Estado

10 Dezembro 2011 | 12h24

ARAÇATUBA - Ladrões furtaram 50 toneladas de milho que estavam no vagão de um trem em movimento. O furto aconteceu quando a composição trafegava pela estrada de ferro da América Latina Logística (ALL) nas proximidades da estrada vicinal José Maria Verdini, na zona rural de Jaú, a 296 quilômetros de São Paulo.

 

O crime, que aconteceu na noite de quinta-feira, só foi comunidade à polícia na sexta pelo maquinista da composição. Segundo o boletim de ocorrência, para furtar as 50 toneladas de milho, os ladrões teriam colocado graxa nos trilhos, fazendo com que as rodas da composição, que levava 54 vagões, não se fixassem e patinassem, reduzindo drasticamente a velocidade do comboio.

 

Os ladrões, então, teriam retirado a carga do vagão com ajuda de um caminhão guincho. O maquinista disse aos policiais que escutou apenas um barulho estranho na composição, mas não desconfiou que se tratava de um furto.

 

O caso está no 1º Distrito Policial de Jaú, que vai investigar o caso a partir de segunda-feira. Mas o que chamou a atenção dos policiais foi o fato de o furto ter ocorrido com o trem em movimento, lembrando cenas de filmes antigos de faroeste, em que bandidos a cavalo roubavam as locomotivas.

 

Parte do que sobrou da carga - cerca de 10 toneladas - ficou no local, junto com alguns sacos, que vão servir de pista para que a polícia possa chegar aos autores do furto. De acordo com a ALL, que administra o trecho da rodovia, a composição e a carga, são da MRS Logística, cujos representantes não foram localizados para falar sobre o assunto. Além das 60 toneladas de milho, a composição leva açúcar para o porto de Santos.

Mais conteúdo sobre:
roubo Araçatuba trem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.