Reprodução
Reprodução

Ladrão dorme no local do roubo e é preso em flagrante

Adalberto Ignácia já tinha pego secadores e cortadores de cabelo de uma salão de beleza, mas antes de sair, dormiu

Chico Siqueira, de O Estado de S. Paulo,

29 Maio 2013 | 19h12

ARAÇATUBA - Um ladrão que tentava furtar um salão de beleza dormiu literalmente em serviço e acabou preso pela Polícia Militar, nesta quarta-feira, 29, em São José do Rio Preto, no interior paulista. Adalberto Ignácia, de 33 anos, não acordou nem mesmo quando os funcionários e PMs, chamados pela dona do salão, chegaram. A PM chegou a  filmar o ladrão dormindo em sono profundo. Ignácia só despertou depois que os PMs o cutucaram para lhe dar voz de prisão, em flagrante. O ladrão entrou no salão pela janela, mas fez tanto barulho que acordou a dona do estabelecimento, R. C. B. A, de 53 anos, que não quis ser identificada.

 

Ela contou que acordou de madrugada ao ouvir barulho vindo do salão, que fica nos fundos de sua casa, no bairro Ana Célia, zona norte de Rio Preto. Chamou a polícia, que ao chegar se deparou com Adalberto Ignácia dormindo, deitado no chão do estabelecimento.

 

O salão estava todo revirado e Ignácia já tinha enchido duas mochilas com secadores elétricos e cortadores de cabelo, mas antes de sair, dormiu. "Ele até ligou o bebedouro para tomar água gelada, mas não sabemos por que, ele dormiu", contou M.M., filha da cabeleireira. "O surpreendente é que o rapaz continuou dormindo mesmo com todo barulho que os PMs fizeram", disse a dona do salão. Segundo ela, o salão já foi furtado três vezes nos últimos 15 dias. Ela diz estar com medo de que os bandidos voltem a invadir seu estabelecimento.

"Fiquei sabendo que ele não vai ficar 15 dias preso e depois deve sair; tenho medo de que ele volte para nos roubar", contou R. De acordo com a Polícia Civil, Ignácia vai responder por furto qualificado, cuja pena é de dois a oito anos de prisão, mas quem deverá decidir sobre o tempo em que permanecerá preso é a Justiça, responsável por analisar seus antecedentes criminais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.