Kassab volta atrás e retira projeto de pedágio urbano em SP

Projeto que visa reduzir em 30% a emissão de poluentes havia sido apresentado pelo próprio prefeito

da Redação,

14 de agosto de 2008 | 16h34

O projeto de implementação do pedágio urbano em São Paulo foi oficialmente retirado na tarde desta quinta-feira, 14. A proposta criou uma saia-justa na Prefeitura de São Paulo, já que o prefeito Gilberto Kassab (DEM) afirmou que retiraria a proposta um dia depois dela ser lida em plenário e publicada no Diário Oficial do Município. O projeto fazia parte da Política Municipal de Mudança Climática, que visa reduzir em 30% a emissão de poluentes na capital até 2012.  Veja também:Projeto prevê pedágio urbano em SPTransporte coletivo deve ganhar prioridadeEntre as medidas, o estímulo ao uso de trólebus Pedágio urbano divide especialistas Para compensar, renúncia fiscal e tributo menorSP terá de reduzir em 30% emissões de gases   Você é a favor da implementação de um pedágio urbano na cidade de São Paulo?  Ao longo de sua gestão, Kassab, candidato à reeleição, adotou posições contraditórias sobre a cobrança, prevista no Plano Diretor. Em algumas ocasiões, disse esperar que a adoção do pedágio urbano "não fosse necessária" e, em outras, afirmou que a medida "penalizaria os mais pobres".  De acordo com o gabinete de Kassab, houve "um erro de comunicação", já que o prefeito tinha pedido a retirada do texto antes dele ser lido em plenário e publicado no Diário Oficial da Cidade, o que aconteceu na quarta-feira, 13. O texto causou confusão dentro do governo. "O pedágio urbano não é descartado como estratégia", afirmou a secretária adjunta de Governo municipal, Stela Goldenstein. "Mas é uma proposta descartada a curto e médio prazos, enquanto não tivermos um transporte abundante e eficaz."  Entenda as propostas: Planejamento e implantação de sistemas de tráfego tarifado, com objetivo de reduzir emissões de gases de efeito estufa, devendo a arrecadação ser utilizada obrigatoriamente para a ampliação da oferta de transporte público; Restrição gradativa e progressiva do acesso de veículos de transporte individual ao centro, considerando a oferta de outros modais; Restrição à circulação de veículos automotores pelos períodos necessários a se evitar a ocorrência de episódios críticos de poluição do ar; Ampliação da oferta de transporte público e estímulo ao uso de meios de transporte com menor potencial poluidor, com ênfase na rede ferroviária, metroviária, do trólebus e outros meios; Estímulo ao transporte não motorizado, com ênfase na implementação de infra-estrutura e medidas operacionais para o uso da bicicleta, valorizando a articulação entre modais de transporte; Implantar medidas de atração do usuário de automóveis para a utilização do transporte coletivo; Implantar corredores segregados e faixas exclusivas de ônibus coletivos e trólebus; Regulamentar a circulação, parada e estacionamento de ônibus fretados e criar bolsões de estacionamento ao longo do sistema de metrô e ferroviário; Planejamento e implantação de faixas exclusivas para veículos com duas ou mais pessoas; incentiva carona solidária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.